COCHILOS DE QUEM ESCREVE

000- a coluna do Joauca - 500

Alberto Dines, na década de 70, quando era ombudsman da Folha de São Paulo, assinava uma coluna dominical chamada “Jornal dos jornais”, em que comentava deslizes linguísticos da mídia, não para criticar ou menosprezar, mas para orientar e reclamar mais atenção de seus colegas jornalistas.

Na coluna “Entre aspas”, Rubens Gomes publicava em A GAZETA uma seleção de frases alheias, mas evitava comentá-las porque, normalmente, eram frases que qualquer um que tenha  bom senso endossaria. Como Alberto Dines, não pretendo fazer pouco de ninguém, mas alertar os que escrevem, a fim de que tenham mais cuidado e releiam sempre seus textos antes de dá-los à estampa. Eis uma pequena lista de cochilos encontrados em textos alheios:

1.As vítimas do assassinato estavam indo embora da feira que acontece na região, dentro de uma Kombi. (A frase sugere que a feira acontece dentro de uma Kombi.)

2. Em pleno desespero, a dona de casa pulou com o filho de 1 ano e 2 meses nos braços do seu apartamento que fica no segundo andar. (A frase sugere que um apartamento tenha braços…)

3. Três suspeitos de intimidar testemunhas de crimes foram presos, a mando de presos. (Na verdade, os três eram suspeitos de intimidar testemunhas a mando de presos… Não foram os presos que mandaram prendê-los, como sugere a frase.)

4. A asa esquerda do Legacy atingiu o final da asa esquerda do Boeing  e se desprendeu. (Referência ao acidente aéreo que matou 154 pessoas. O texto dá a impressão de que foi a asa do Legacy que se desprendeu, mas foi a do Boeing.)

5. “…cumpriram, ontem, mandado de busca e apreensão na residência onde mora um casal de técnicos…”   (Melhor dizer: “na residência de um casal de técnicos”. Afinal, toda residência é lugar onde se mora…)

6. Se você tem interesse em abrir uma loja no Hortomercado, entre em contato com a empresa que irá administrar o local pelo telefone 9982… (O texto dá a impressão de que a empresa vai administrar por telefone…)

7. Avisos paroquiais ambíguos (colaboração dos amigos Roldão Simas Filho e José Lemos Sobrinho): a) Para quem tem filhos e não o saiba, temos na paróquia um espaço preparado para as crianças. b) O custo da participação na reunião sobre “Oração e Jejum” inclui refeições. c) Sexta-feira, às sete da tarde, as crianças da catequese representarão o Hamlet de Shakespeare no salão paroquial. A comunidade está convidada a participar dessa tragédia. d) Estimadas paroquianas: não esqueçais a venda de beneficência! É uma boa altura para vos livrardes de coisas inúteis que tendes em casa. Trazei vossos maridos. e) Quinta-feira que vem, às 5h da tarde, haverá uma reunião do grupo de mães. Todas as paroquianas que desejem fazer parte do grupo das mães devem dirigir-se ao escritório do pároco. f) As reuniões do grupo de recuperação da autoconfiança são às sextas-feiras, às 8h da noite. Por favor, entrem pela porta traseira. g) Assunto da catequese de hoje: “Jesus  caminha sobre as águas.” Assunto da catequese de amanhã: “À procura de Jesus.” h) O coro dos maiores de 60 anos vai ser suspenso durante o verão, com o agradecimento de toda a paróquia. i) Lembrem em suas orações todos os desesperados e cansados da nossa paróquia. j) O mês de novembro finalizará com uma missa cantada por todos os defuntos da paróquia. l) O torneio de basquete das paróquias vai continuar com o jogo da próxima quarta-feira. Venham nos aplaudir. Vamos tentar derrotar o Cristo Rei. m) Lembrem-se de que quinta-feira começará a catequese para meninos e meninas de ambos os sexos.

8. Ainda tenho e leio os contos da carochinha que há mais de cem anos encantaram meu avô, minha mãe e eu. (Crônica “Prazer de ler”, de Francisco Aurélio Ribeiro, A Gazeta, 22-06-2003) (O autor, além de usar o pronome eu como objeto direto, afirma ter mais de 100 anos. Corrija-se: Ainda tenho e leio os contos da carochinha que há mais de cem anos encantaram meu avô e minha mãe, e ainda hoje me encantam.)

(*) José Augusto Carvalho é mestre em Linguística pela Unicamp, doutor em Letras pela USP, e autor de um Pequeno Manual de Pontuação em Português (1ª edição, Bom Texto, do Rio de Janeiro, 2010, 2ª edição,  Thesaurus, de Brasília, 2013) e de uma Gramática Superior da Língua Portuguesa (1ª edição, Univ. Federal do ES,  2007; 2ª edição, Thesaurus, de Brasília,  2011.

Siga o blog pelo Twitter.

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Comentários fechados.