SEGUNDA-FEIRA, 10 DE MARÇO DE 2014

SECA DEMOCRÁTICA

0000000000000000000000000-------------alianca-pt-psdb_sponholz[5]

BRASÍLIA – Democrática, a seca atípica deste início de ano não poupou nem tucanos nem petistas, revelando a imprevidência dos dois grupos políticos que se digladiam pela Presidência da República.

A São Paulo de Geraldo Alckmin sofre com o risco de desabastecimento de água. O Brasil de Dilma Rousseff vê o custo da energia disparar e o fantasma do racionamento voltar a assombrar.

Dissabores gerados por equívocos e falta de planejamento dos dois lados, que estão rezando para que as chuvas sejam generosas e descartem a adoção de medidas impopulares no ano eleitoral.

Nada mais arriscado. Se são Pedro não ajudar, a demora em baixar medidas para evitar a falta de luz e de água, adiadas pelo medo de exploração política de adversários, vai cobrar um preço bem elevado.

Até aqui, a seca está longe de afetar os reservatórios de intenção de votos de Dilma e Alckmin, ainda no nível de favoritos. Principalmente o da petista, que se dá ao luxo de deixar aliados na maior secura.

Tudo, porém, tem seus limites. Tanto que Dilma foi obrigada a abrir espaço em sua agenda, em pleno domingão, para discutir a crise peemedebista. Algo que, no seu mundo ideal, não faria nem amarrada.

Ela segue disposta a manter na seca a turma do líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, que ensaiou romper com seu governo –ameaça que não a sensibiliza.

Afinal, se o tempo da natureza não joga hoje a seu favor, o da política, sim. Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) enfrentam um período de estiagem de votos.

O risco é a petista esticar demais a corda e perder o tempo de TV do PMDB no horário eleitoral, irrigando o canteiro dos adversários.

Sem falar que a seca, que foi embora, volta no meio do ano. A depender de sua intensidade, as agruras de hoje podem ser maiores perto da eleição. Aí sairá muito mais caro matar a sede dos aliados.*

(*) Valdo Cruz, Folha de São Paulo