A FILA E A BICHA

000- a coluna do Joauca - 500

Perguntaram-me de onde teriam vindo as expressões bicha e veado para designar o homossexual masculino. Na Internet veicularam uma informação errônea, segundo a qual o animal veado, ao atingir certa idade, perderia os chifres e, para não ser surrado por outro macho ou expulso do bando, adotaria um comportamento feminino, submetendo-se a outros machos para garantir sua proteção.

A informação é falsa porque os machos nunca perdem a galhada que, pelo contrário, se renova anualmente. O que ocorre é que os cornos que nascem no animal jovem, chamado “veado estaqueiro”, têm uma cobertura de pele e crescem rapidamente. Quando chega a época do acasalamento, começa a muda de chifres, em que há reabsorção inicial do material ósseo. Isso provoca irritação e leva o animal a esfregar a cabeça contra superfícies duras para que os chifres anteriores se desprendam, e os novos cresçam.

Pode ser que bicha (para designar o homossexual masculino) tenha vindo de bicha,  nome popular por que é conhecido o verme nematódeo, parasito intestinal enteverobius vermicularis ou, simplesmente, oxiúro. Os oxiúros provocam distúrbios intestinais, dores abdominais e, sobretudo, pruridos anais. Esses pruridos anais  é que poderiam ter servido  de base para a extensão, por metonímia, do nome popular do animal para o do homossexual masculino. O mesmo verme serviu também para cunhar a expressão “estar com bicho carpinteiro”, que designa o estado em que se encontra alguém que não consegue ficar quieto um minuto, segundo a lição de Leite de Vasconcelos, em Etnografia II. Antenor Nascentes, em seu Tesouro da Fraseologia Brasileira (3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986), no verbete bicho, cita Leite de Vasconcelos, mas sua explicação é a de que o nome teria vindo de um coleóptero do gênero xylotrophus (xylo  em grego, significa “madeira”; e trophus, “alimento”, donde “bicho carpinteiro”, o que se alimenta de madeira).

Quanto ao nome veado, para designar o homossexual masculino, a origem está na influência da língua francesa no léxico português. Em francês, biche é o feminino vicário de cerf, “veado”. É possível que, por influência francesa, o nome que designa o veado fêmea, a biche  (tradução literal, homonímica, do nosso bicha), o nome veado tenha passado a sinônimo de homossexual. O número 24 é decorrência do jogo do bicho.

Seja porque os oxiúros são  expulsos do seu hospedeiro em fila, um atrás do outro, seja porque uma fila tem a conformação de um verme ou de uma serpente, o nome bicha, em Portugal, designa, por metáfora, a fila indiana. E fila indiana tem esse nome, segundo Nascentes, no seu mencionado Tesouro da Fraseologia Brasileira, s.v. fila, porque era essa a “maneira de os índios da América caminharem em fileira através dos bosques.”

Como se vê, a metáfora e a metonímia estão sempre presentes no linguajar do povo.*

(*) José Augusto Carvalho é mestre em Linguística pela Unicamp, doutor em Letras pela USP, e autor de um Pequeno Manual de Pontuação em Português (1ª edição, Bom Texto, do Rio de Janeiro, 2010, 2ª edição,  Thesaurus, de Brasília, 2013) e de uma Gramática Superior da Língua Portuguesa (1ª edição, Univ. Federal do ES,  2007; 2ª edição, Thesaurus, de Brasília,  2011)

 

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone