É TITICA…

DIFERENÇAS ENTRE A LEI E A ÉTICA

www.contraovento.com.br

Quantas viagens fez o Lula ao exterior, depois que deixou a presidência da Republica? Mais de vinte. Sempre em jatinhos particulares, postos à sua disposição por empreiteiras, ele esteve em diversos países da África e da América Latina, sendo recebido por presidentes, ministros e até ditadores, junto aos quais defendeu os interesses das empresas financiadoras das viagens, de olho em contratos para executar obras públicas. Quem resistiria aos apelos de um dos mais populares líderes políticos mundiais? Presume-se que quando a “cláusula de sucesso” se confirma, o ex-presidente recebe um percentual ou um fixo por conta de seus esforços.

Ilegal essa atividade não é. Aproveitar-se de amizades feitas nos tempos do exercício do poder para agenciar negócios, também não. Ainda mais se for para beneficiar empresas brasileiras, contribuindo para sua expansão. Da mesma forma, não é crime ser remunerado por serviços prestados, desde que declarados de acordo com a lei.

Então… Então estaria o Lula, agora que não é mais presidente da República, livre para exercer atividades comuns no mundo dos negócios e no mercado, até melhorando sua conta bancaria?

A conclusão seria positiva caso não fosse ele mentor da presidente Dilma, aconselhando-a em todos os setores da administração federal, até no relacionamento com governos estrangeiros. E se não estivesse envolvido na atividade política, que nunca abandonou, disposto, como parece, a candidatar-se para retornar ao palácio do Planalto em 2018.

TRÁFICO DE INFLUÊNCIA

Nesse caso, todo cuidado é pouco, e a evidência de ser pantanoso o terreno onde trafegam as empreiteiras está no fato de que o Lula interrompeu as viagens como seu garoto-propaganda. Pelo menos, delas não se tem mais noticia. Qualquer tratado elementar de ética recomenda cautela. Nem tudo o que parece legal costuma ser moral. Aí estão os exemplos de ex-ministros como José Dirceu e Antônio Palocci, perdidos para a política porque flagrados em atividades de consultoria para empresas variadas, em especial empreiteiras. Traficaram influência, que ainda dispunham junto ao governo, mesmo depois de afastados. Seria diferente a situação do Lula?

Se sua candidatura consumar-se, quem garante ficarem fora da campanha suas relações com as empreiteiras, com governos estrangeiros e com a própria presidente Dilma? Muitas vezes a lei e a ética seguem caminhos distintos.*

(*)  Carlos Chagas- Tribuna na Internet

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone