TROGLODITA JURAMENTADO

Aldo Rebelo no Ministério da Ciência

é o Rei Herodes no berçário…

 0000000000000000000000000000000AUTO_sponholz124

“Como você vai fazer um barco navegar contra o vento e contra a corrente, só acendendo uma fogueira embaixo do deck?”, perguntava-se, publicamente, em 1803, Napoleão Bonaparte, sobre o barco a vapor do engenheiro americano Robert Fulton.

“Colocar um homem em um foguete e projetá-lo até o campo gravitacional da Lua – talvez pisar lá – e voltar à Terra: tudo isto constitui um sonho maluco digno de Júlio Verne. (…) Este tipo de viagem feita pelo homem nunca vai acontecer, independentemente de todos os avanços no futuro”, estabeleceu o físico Lee DeForest, em 1957.

“Pessoas bem informadas sabem que é impossível transmitir a voz através de fios e que, se fosse possível fazer isto, esta coisa não teria valor prático algum” – editorial do Boston Post, em 1865, redigido por um jornalista, indignado com a invenção do telefone.

O novo ministro da Ciência, Aldo Rebelo, é comunista de carteirinha e também  jornalista.

Entregar a ciência a Aldo Rebelo é como entregar o berçário ao Rei Herodes. E as patacoadas disparadas contra as invenções científicas mais populares, como você leu acima, é o que devemos esperar de Rebelo. Se ele resolver abrir a boca, é claro.

Não vai aqui nenhum ataque pessoal, ad hominem, contra Rebelo. Filiado ao PC do B desde 1977, seria de se estranhar se ele não fosse um comunista profissional.

O que é o comunista profissional? É aquele para quem só existe aquilo que podemos tocar com as mãos (para eles, assim sendo, Gisele Bundchen não existe…) Afinal, “a prova da existência do pudim está em comê-lo”, notava Engels, co-autor do Manifesto do Partido Comunista.

Uma parente deste blogueiro esteve em Lisboa de férias. Quebrou a sola de seu sapato. Foi num velho sapateiro lisboeta comunista para consertar tudo. Pediu: “O senhor pode trocar?”. Ele disse que sim. E que ela voltasse em meia-hora.

Trinta minutos depois ela volta. A sola do sapato esquerdo, quebrada, foi colocada na do direito, e vice-versa. Indignada, ela perguntou: “Por que o senhor não trocou?”.  Ele respondeu, também irado: “Troquei sim!”.

E ela: “Mas continua quebrado!”.

E ele: “A senhora mandou trocar, e eu troquei de pé…”

Ela levou 15 minutos pare entender que deveria ter usado com o velho comunista o verbo “substituir”.

Aldo é assim. Porque o comunismo assim o é.

 

Aldo Rebelo só pode ser entendido, também por outra explicação comunista. O pensador marxista alemão Ernst Bloch (1885-1977) gostava de apontar o que chamava de “a contemporaneidade do não-coetâneo (em alemão, “Gleichzeitigkeit der Ungleichzeitigkeit”). Ou seja: você vive no século 21, mas pode estar dividindo o seu espaço, lado a lado, com quem ainda mantenha valores medievais. Ou simplesmente com quem ache que a ida do homem à lua não passa de uma montagem de video.

 

Aldo Rebelo é isso aí tudo. Costuma dizer que não há aquecimento global porquue ele é “improvável”.

Vamos a casos recentes.

—Rebelo é pai daquela loucura de que os estrangeirismos seriam limitados no Brasil. Aprovado por unanimidade na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania em 2007, o projeto ainda aguarda votação em plenário. Por ele, o aplicativo Whats Up teria de se chamar “E aí?”, o mouse do computador “rato”, e I-Pad “Eu bloco”.

—Em 2002 Aldo propôs a proibição de “inovação tecnológica poupadora de mão de obra”. Seriam proibidas as fotos digitais e as Xeroxes.

— Em 2000,  Aldo tentou proibir a utilização de sistema de catraca eletrônica nos veículos de transporte coletivo de passageiros.

 

—Em 2001, defendeu a adição obrigatória de 10% de raspa de mandioca na farinha de trigo destinada à fabricação do pão francês, o famoso pãozinho de 50 gramas. A ideia era “melhorar os nutrientes do pão e fomentar a cadeia de produção da mandioca”.  Aprovado no Congresso, o projeto foi vetado por quem? Por Lula.

 

—Em 2003, tentou transformar o Halloween (Dia das Bruxas), celebrado em 31 de outubro nos Estados Unidos, no Dia Nacional do Saci-pererê.

 

É esse o nosso homem na ciência. E ponto final…*

(*) Blog do Claudio Tognolli

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone