FECHANDO O CERCO…

Ex-diretor da Petrobras, Renato Duque começa a negociar delação premiada

Preso na Operação Lava Jato, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque contratou um escritório de advocacia e começou oficialmente, nesta sexta-feira (31), a negociar um acordo de delação premiada.

Duque, cuja indicação à estatal é atribuída ao PT, éacusado de ter recebido propinas milionárias em contas no exterior e de usar obras de arte para lavar o dinheiro. Ele já é réu em quatro ações penais, e foi denunciado mais uma vez pelo Ministério Público Federal nesta semana.

Preso desde março numa penitenciária comum no Paraná, Duque vem demonstrando abatimento. Segundo apurou a Folha, a família chegou a questioná-lo por que ele continuava a proteger quem estava do lado de fora.

Ele sempre negou as acusações.

Nesta sexta, o ex-diretor assinou contrato com o escritório do advogado Marlus Arns de Oliveira –que negociou as colaborações dos executivos Dalton Avancini e Eduardo Leite, da Camargo Corrêa. As tratativas com Duque, que o procurou, começaram há cerca de um mês.

A família de Duque foi quem fez o apelo para que ele optasse pela delação, segundo o advogado.

A possibilidade da delação do executivo traz preocupação a membros do PT, partido que o indicou ao posto de diretor de Serviços. Os contratos da diretoria, segundo afirmam delatores da Lava Jato, eram a porção do PT na divisão da propina.

Arns, porém, não adiantou nomes ou fatos que podem ser mencionados na tratativa de delação, por questões de sigilo profissional –mas disse que “possivelmente” haverá pessoas com foro privilegiado.

“Há muita notícia fantasiosa”, disse o advogado à Folha. “É um processo lento, que nem foi iniciado com o Ministério Público.”

Segundo ele, Duque optou pela delação como “uma estratégia de defesa para que saia o mais cedo possível da prisão”. O advogado diz que não houve pressão ou ameaças, e que a decisão foi tomada de livre iniciativa por seu cliente.

PASSO A PASSO

Os atuais advogados de Duque, Renato de Moraes e Alexandre Lopes, permanecem como defensores do ex-diretor nas ações penais. Arns fica responsável somente pela tentativa de negociação com o Ministério Público Federal –que ainda será iniciada.

Se o acordo for fechado, os outros dois defensores, que são contra a delação, se retiram da causa.

Arns fará as primeiras entrevistas com o cliente nesta sexta. Depois, irá marcar uma reunião com os procuradores, para iniciar a tratativa de acordo.

O Ministério Público pode ou não aceitar o que Duque tem a oferecer. Cabe aos procuradores estabelecer as condições da colaboração, como multas e tempo de detenção.

Só depois, com o termo assinado, é que Duque começa a depor oficialmente aos investigadores. *

(*) ESTELITA HASS CARAZZAI – DE CURITIBA – FOLHA DE SÃO PAULO

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone