O REI DA PILANTRAGEM

Com todo respeito, esse Sérgio Cabral era um vagabundo

Somente por um anel de ouro amarelo de 18 quilates, com diamante e rubi, Cabral pagou algo como R$ 600 mil. Em dinheiro vivo, naturalmente

lula-sergio-cabral-o-proximo

Informam os repórteres Chico Otávio e Daniel Biasetto, hoje, em O GLOBO:

“Um decreto assinado por Sérgio Cabral, em 2008, permitiu que as joalherias H.Stern e Antonio Bernardo pagassem um imposto baixo sobre o total de R$ 7,2 milhões em vendas sonegadas de joias para o ex-governador e sua mulher, Adriana Ancelmo. Em condições normais, as empresas recolheriam 20% de ICMS, o que resultaria em um tributo de R$ 1,44 milhão.

Contudo, favorecidas pelo decreto 41.596, de 16 de dezembro de 2008, assinado por Cabral, as empresas pagaram só 6% de ICMS, pouco mais de R$ 430 mil. Como as duas joalheiras também não foram fiscalizadas, se livraram da multa de 75% sobre o valor da venda, o que elevaria sua dívida com o Fisco em R$ 2,6 milhões. As notas fiscais sobre as compras de Cabral só foram emitidas após a prisão do ex-governador, este mês.”

Somente por um anel de ouro amarelo de 18 quilates, com diamante e rubi, Cabral pagou algo como R$ 600 mil. Em dinheiro vivo, naturalmente.

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone