O QUE RESTOU DA ERA DA CANALHICE

O amigo de Temer está na gaiola pelo que fez como amigo de Lula

O marco zero dos caminhos trilhados pela fortuna de Geddel é o gabinete no Planalto onde Dilma desgovernava o Brasil

Atordoados com as primeiras confissões de Antonio Palocci, que abreviaram o  sepultamento de Lula na vala comum dos que acrescentaram a desonra à morte política, os órfãos do chefão tentam exumá-lo usando como pás as malas e caixas de dinheiro guardados no apartamento em Salvador por Geddel Vieira Lima. Eis aí mais um sintoma de confusão mental e idiotia eleitoreira.Preso de novo neste sábado, Geddel é amigão de Michel Temer e foi um de seus ministros mais influentes. Mas está na cadeia pelas roubalheiras que consumou entre 2011 e 2014, quando, nomeado por Dilma Rousseff, mandou e desmandou na Vice-Presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal. Chegou lá com a bênção de Lula, que ordenara a entrega de outra gazua federal ao aliado que comandara durante três anos o Ministério da Integração Nacional e acabara de ser derrotado na disputa pelo governo da Bahia.

Em julho passado, ao decretar a prisão preventiva do gatuno baiano, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira reservou um trecho do despacho aos “fatos e condutas ilícitas praticados por Geddel Quadros Vieira Lima, em conluio com Eduardo Cunha e Lucio Funaro, quando ocupava a vice-presidência de Pessoa Jurídica, atuando na liberação manipulada de empréstimos a determinadas empresas mediante posterior obtenção de vantagem indevida”.

Segundo a denúncia aceita pelo juiz, o bando fora da lei entrou em ação no momento em que Geddel aterrissou na diretoria da instituição indefesa. A folha corrida do colecionador de maços de cédulas informa que as delinquências começaram antes da era lulopetista e, se o camburão não chegasse, só cessariam com a morte física. Mas o amigo de Temer está na gaiola pelo que andou fazendo como servidor de Dilma.

Os caminhos trilhados pela fortuna encontrada em Salvador, se percorridos no sentido inverso, não levam ao Palácio do Jaburu. Desembocam no gabinete no Palácio do Planalto onde um poste e seu fabricante desgovernavam o Brasil.*

(*) Blog do Augusto Nunes

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone