FALTA “A CARTA AOS BRASILEIROS”?

Bolsonaro imita Lula e procura se aproximar do “Mercado” que comanda o país

Bolsonaro tenta se afastar da farda de “militar estatizante”, termo que ele mesmo empregou ao falar de visões ultrapassadas para a economia. Defendeu privatizações e até a extinção de algumas estatais – em suas palavras, “cabides de emprego”.

PRIVATIZAÇÃO – “Naquela época [do regime militar], a única alternativa eram as estatais. Quem iria fazer Itaipu? Ninguém. Hoje em dia, ao privatizar, você diminui muito a questão da corrupção”, disse.

Na última semana, quando a pesquisa Datafolha o apontava tecnicamente empatado com Marina Silva em segundo lugar na corrida presidencial, atrás apenas de Lula, Bolsonaro disse que teve três reuniões com grupos de investidores.

“Se eles estão vindo, é porque estão sentindo alguma possibilidade”, afirmou, entusiasmado com a validação que diz receber do setor financeiro. E também de colaboradores dispostos a dar sugestões para a elaboração de sua plataforma eleitoral.

“NA FACULDADE” – “É impressionante o número de pessoas que estão se aproximando”, disse. “Vou tirar janeiro para estudar, rascunhar, aprender. Às vezes tenho dificuldade em assimilar a carga enorme de informação que me chega. É como se estivesse na faculdade.”

A pauta liberal, porém, ainda carece de substância, reconhece o próprio candidato. Ele afirma que está se cercando de conselheiros, mas se recusou a dar nomes, alegando que eles pediram para ficar no anonimato.

Enquanto formula ideias para retomar a atividade econômica e valorizar as riquezas nacionais, Bolsonaro cai em algumas contradições. Diz que o Brasil não pode ser protecionista, quer acabar com a “ideologia” no comércio exterior e pretende fazer alianças com EUA, Japão e Coreia do Sul. Mas critica investidores chineses e vê com maus olhos brasileiros que foram produzir no Paraguai para baratear a produção.

CASA DA MOEDA – Ao mesmo tempo em que defende ouvir o BNDES para definir as estatais que deverão ser privatizadas, aponta empresas estratégicas que não devem ser entregues à iniciativa privada, como a Casa da Moeda – recentemente incluída no programa de desestatização de Michel Temer.

Bolsonaro ressalta posições que denotam alinhamento com as visões da ortodoxia econômica – livre mercado, controle fiscal e menor intervenção estatal. Um exemplo é o ataque à política de crédito do BNDES nos governos do PT. Enfatizou o voto a favor da medida provisória que criou a TLP, nova taxa de juros que acabará com os subsídios dos empréstimos do banco. “É uma boa medida. O BNDES emprestava para os amigos e a gente pagava a diferença.”

NOVA POSTURA – No último ano, o deputado reorientou sua postura. Durante os mandatos de Dilma Rousseff, fez oposição às medidas de austeridade fiscal, como a restrição a benefícios trabalhistas. Nos primeiros meses da gestão de Temer, chegou a criticar a proposta que criou um teto para o crescimento dos gastos públicos, mas acabou votando a favor.

Ao elaborar uma agenda de recuperação econômica, arrisca soluções pouco convencionais para conflitos fundiários que, a seu ver, “inviabilizam o progresso”.

“Como vive o índio americano? Não é de royalties de jogo? Por que nosso índio não pode receber royalties de minério?”, questionou, sem dar detalhes da saída que estuda para conciliar as reservas indígenas com a mineração.*

(*) Bruno Boghossian e Mariana Carneiro – Folha de São Paulo

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone