CHUTANDO CACHORRO MORTO

O silêncio de Joesley, em resposta aos parlamentares que antes o bajulavam

A sessão promoveu o reencontro do delator com os delatados que o bajulavam. Ao menos 15 integrantes da CPI receberam dinheiro do frigorífico na última campanha. Diante das câmeras, eles preferiram omitir a ajuda para atacar o ex-aliado.

“AL CAPONE” – “Acho que o senhor não é tão bandido quanto confessa ser”, disparou o relator Carlos Marun (PMDB-MS), destinatário de R$ 103 mil da JBS em 2014. “O senhor, que era um mafioso de terceira categoria, resolveu achar que era o Al Capone”, prosseguiu.

O deputado domina a temática como poucos. Ele despontou do anonimato como escudeiro de Eduardo Cunha, a quem foi visitar na cadeia. Depois virou defensor de Michel Temer, alvo de duas denúncias criminais.

“De tanto que os senhores armaram, caíram na própria armação”, repreendeu João Rodrigues (PSD-SC). Ele declarou ter recebido módicos R$ 7,5 mil da JBS na última eleição.

DA CONCORRÊENCIA – Joesley também enfrentou a artilharia de parlamentares bancados por seus concorrentes. “Temos a sensação de que sua família é uma quadrilha, e a sua empresa, uma organização criminosa”, atacou Heuler Cruvinel (PSD-GO), que levou R$ 100 mil do frigorífico BRF.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que recebeu R$ 66,4 mil da JBS, tentou aliviar o clima com uma piada. “O senhor Joesley conseguiu fazer o Roberto Carlos comer carne”, gracejou. Em seguida, ele voltou a esbravejar contra a Lava Jato.

Num raro momento de trégua, João Gualberto (PSDB-BA) parou de bater no delator e se lembrou dos delatados. “Todo mundo sabe que são corruptos os vários que receberam”, disse. Antes de ser fuzilado pelos colegas, ele se corrigiu: “Não digo todos, não quero ofender todos…”*

(*) Bernardo Mello Franco – Folha de São Paulo