FINALMENTE

Às vésperas de 2018, PMDB do Rio se vê totalmente desidratado

Jorge Picciani perde o pouco fôlego que tinha para construir sucessor de Pezão

Operação Cadeia Velha: Jorge Picciani, presidente da Alerj, chega na PF – Fabiano Rocha / Agência O Globo

RIO – Se já vinha debilitado desde a descoberta da roubalheira envolvendo o ex-governador Sérgio Cabral, o PMDB do Rio se vê agora totalmente desidratado, às vésperas de 2018. Seu presidente regional, Jorge Picciani, perde totalmente o pouco fôlego que mantinha para construir candidatura viável à sucessão do governador Luiz Fernando Pezão, que vive uma tempestade perfeita em seu governo.

Perpetuado no Guanabara desde o mandato de Rosinha Garotinho, o partido de maior capilaridade no estado está agora refém de si mesmo. E de todo o esquema – cada vez mais denso, descobre-se – que o mantém no poder.

Que eleição será a próxima, com o Rio e seu maior partido em sua pior crise, impossível dizer. Mas o caminho da reinvenção parece aberto.*

(*) Maiá Menezes é editora-adjunta de País – O Globo

 

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone