ELE NUNCA SOUBE DE NADA…

TCU mantém bloqueio de bens de Gabrielli, Queiroz Galvão e outros cúmplices

A decisão ocorre após a corte ouvir os argumentos de cada um dos citados. Todos negam irregularidades.

O processo tem origem nas obras de implantação das “tubovias” da refinaria Abreu e Lima, de Pernambuco, que era executada pelo consórcio Ipojuca Interligações – CII, formado pelas empresas Queiróz Galvão e Iesa Óleo e Gás.

SUPERFATURAMENTO – O contrato, que chegou a R$ 3,56 bilhões, apresentou um superfaturamento de R$ 682,4 milhões. Esse valor chega a R$ 960 milhões, com atualização monetária e incidência de juros de mora.

A decisão determina o bloqueio, primeiramente, dos bens imóveis suficientes para saldar o débito e, caso o débito em exame seja maior, indisponibilizar posteriormente as participações societárias dos responsáveis e, por último os demais ativos financeiros. No caso da Construtora Queiroz Galvão, a corte decidiu afastar o bloqueio de bens que estejam sob a guarda de instituições financeiras, necessários à manutenção das atividades operacionais da empresa.*

(*) André Borges – Estadão

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone