PIADISTA JURAMENTADA

Na Argentina, Dilma diz que Lula pode ser envenenado na cadeia da PF

Ao criticar a decisão de uma juíza de Curitiba que impediu a visita à prisão do argentino Adolfo Pérez Esquivel, premiado com o Nobel da Paz em 1980 e que estava presente no evento junto com a presidente das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, e outros líderes políticos e sindicalistas argentinos, Dilma Rousseff afirmou que teme pela vida de Lula.

PODEM MATÁ-LO – “Tenho medo pela vida de Lula. Tenho medo pela comida, pela água que ele toma; porque se foram capazes de impedir a visita de um prêmio Nobel da Paz, a visita de um médico…”, disse Dilma.

“O Brasil está sendo mais duro com Lula do que foi na ditadura porque o temem”, acrescentou, dizendo que Lula representa “a arma que temos para lutar contra o enquadramento do Brasil em um neoliberalismo brutal”.

Para ela, o ex-presidente “é um preso político e vítima de um crime: este processo (judicial) é uma vergonha política que vai contra todos os direitos humanos”, disse.

CASO DA UNASUL – Dilma Rousseff descreveu a prisão de Lula como mais um episódio de um processo de avanço de ideias neoliberais, no qual também incluiu a recente decisão de seis países sul-americanos de suspender a Unasul. “Vemos como desastrosa essa decisão que interrompe um processo de integração na América Latina”, disse.

Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Paraguai e Peru suspenderam suas atividades no bloco até que se nomeie o sucessor de Samper, cujo mandato como secretário-geral concluiu em janeiro de 2017.

Com Dilma estiveram outros líderes latino-americanos, como o ex-presidente da Colômbia Ernesto Samper e o ex-prefeito da Cidade do México Cuauhtémoc Cárdenas.

Na Argentina, Dilma disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7 de abril em Curitiba, depois de ser condenado a 12 anos por corrupção e lavagem de dinheiro, continua a ser o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) às eleições presidenciais.

Acrescentou que, por meio de uma carta enviada por seus advogados, Lula deu seu aval para que o PT considere outras opções à presidência, mas o partido já afirmou que não desistirá de sua candidatura. E disse que o ex-presidente é o favorito segundo as pesquisas, à frente do candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro.*

(*) O Tempo
(Agência AFP)