UM PAÍS QUE VAI ESQUENTAR

Cadeia de equívocos

Juristas das mais diversas tendências, estrategistas políticos, acusadores e defensores que nos perdoem, mas só falta uma semana para que o Tribunal Regional Federal examine o apelo de Lula contra sua condenação em primeira instância. O que se sabe é que as questões que importam não devem ser resolvidas. Muito barulho por nada: mesmo que, dia 24, Lula perca por unanimidade, 3×0, não será preso (quem diz é o presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores). E pode ser que a Lei da Ficha Limpa, segundo a qual réus condenados em segunda instância por um colegiado não podem ser candidatos, por algum motivo deixe de ser aplicada. Conforme a tendência política do jurista consultado, a lei é clara ou tem muitas brechas, abrindo campo para recursos mil. Em resumo, pode sair uma sentença com a qual ou sem a qual a eleição continua tal e qual.
Lula, sem dúvida, sai vitorioso: ao contrário do que muitos imaginavam, abre-se a possibilidade de arrastar a candidatura até a eleição, ou pelo menos perto o suficiente para que ele se apresente como vítima e lance um poste para herdar seus votos. Se for preso, melhor: vira mártir. Nem precisa atacar a Justiça, pois tem quem faça isso por ele. Como Gleisi Hoffmann, que disse que para prender Lula será preciso matar gente. Logo se desculpou, mas é o que pensa. E já se sabe que, para muitos, a Justiça só é justa quando é favorável a Lula. Teremos um ano bem quente.

O apito final

A grande esperança de Lula é levar o caso até Brasília. Por um lado, por ganhar tempo; por outro, sente-se melhor com ministros do Supremo, que já conhece, com quem teve alguma convivência, do que com o pessoal de primeira e segunda instâncias. Ao longo de treze anos de poder petista, coube-lhe, e à sucessora Dilma Rousseff, nomear sete dos atuais ministros (só Gilmar Mendes, escolhido por Fernando Henrique; Celso de Mello, por José Sarney; Marco Aurélio, por Fernando Collor; e Alexandre de Moraes, por Michel Temer, não foram indicados por eles).

Olha o candidato!

Michel Temer deve terminar seu mandato em 31 de dezembro. No dia 1° de janeiro de 2019, deixa de ter direito ao foro privilegiado. Os processos que o Congresso suspendeu voltam a andar, e o então ex-presidente estará sujeito a juízes de primeira instância, tendo de explicar a conversa com Joesley Batista, a corrida de seu amigo Rocha Loures com a mala e sabe-se mais o que. É ruim, aos 78 anos, antever essa aposentadoria.
Todas as atitudes de Temer na área política devem ser avaliadas levando em conta esse fato. Nos EUA, ao deixar o poder, Nixon combinou com o sucessor Gerald Ford que seria indultado. O indulto foi bem aceito, já que era a condição para o país voltar à vida normal. Aqui, com a radicalização em alta, quem pode garantir que o indulto será dado e validado? Se é para ficar na luta política, Temer tentará a reeleição. Nada é impossível, nem isso. Na opinião do presidente, se a economia for bem, ele pode até ganhar.

Michel Temer vem aí

Teremos um ano bem quente. E com cenas inimagináveis: amanhã, 18, Temer grava uma participação no Programa Sílvio Santos. Eles têm algo em comum (como o bordão “Quem quer dinheiro? Quem quer dinheiro?”), mas só se pode imaginar os dois juntos na TV levando em conta o esforço de Temer para elevar seus índices de popularidade. O programa com Temer vai ao ar no dia 28, mas foi preciso gravar com antecedência porque Sílvio viaja de férias já neste fim de semana. Tudo bem, Michel Temer deve ser coisa nossa, mas nem tanto que interrompa o intervalo de férias de Sílvio.

Outra saída

Há gente de boa cabeça trabalhando com outra hipótese: disputar com um candidato de centro, que tenha o apoio de Temer (dependendo das pesquisas, aberto ou discreto), e que, eleito, lhe garanta o foro privilegiado.
A tese básica desse grupo é que nenhum candidato radical terá chances de vencer a eleição – o que elimina Lula e Bolsonaro (mais os anedóticos, tipo Boulos, Maria do Rosário, Contra Burguês Vote 16 e outros). Um bom candidato de centro teria grandes chances de vencer, e nomearia Temer no dia da posse para o Itamaraty. Ele viajaria pelo mundo e manteria o foro.

Bolívia x Brasil

Evo Morales e Michel Temer trocam elogios e gentilezas, mas há um sério problema no futuro das relações entre Brasil e Bolívia. Dois altos funcionários bolivianos, o procurador-geral (na Bolívia, Fiscal-General) e o chefe de Polícia, que participaram da investigação oficial sobre a morte de três estrangeiros suspeitos de planejar o assassínio de Evo Morales, descobriram algo que ainda não querem revelar (até se sentirem em segurança) e fugiram para o Brasil, onde conseguiram refúgio. Ambos dizem que estão sendo ameaçados de morte. A Bolívia os quer de volta.*

(*) Coluna Carlos Brickmann, na Internet

O CAPETA E O COISA RUIM

Bolsonaro torce por Lula

Um não sobrevive sem o outro

Um dos auxiliares diretos do deputado Jair Bolsonaro contou que ouviu dele outro dia que torce, torce muito para que Lula consiga disputar a sucessão do presidente Temer. Bolsonaro receia perder votos se Lula não for candidato.O sonho de 10 entre 10 aspirantes à vaga de Temer é enfrentar Bolsonaro no segundo turno.*

(*) Blog do Noblat

A MORTE DA JARARACA

Candidatura de Lula só terá validade até o dia 12 de setembro. Podem apostar.

Resultado de imagem para lula 2018 charges

Charge do Miguel (Jornal do Comércio/PE)

Como todos sabem, embora não seja feriado nacional, o país praticamente vai parar no dia 24 de janeiro, quando a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) proceder ao julgamento da Apelação do ex-presidente Lula da Silva à condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex no Guarujá. O resultado do julgamento é importantíssimo, porque vai definir se Lula conseguirá participar da eleição presidencial ou não. A grande dúvida é se realmente existem recursos capazes de garantir o registro da candidatura dele, para que possa disputar a eleição, mesmo que seu nome seja incluído na Lei da Ficha Limpa, após a condenação no TRF-4.

Detalhe muito relevante: a 8ª Turma do Tribunal tem se mostrado muito rigorosa nos julgamentos da Lava Jato. Até agora, apenas 5 dos réus do juiz Moro foram absolvidos pelo Tribunal, o equivalente a 11,6% dos réus. Mas isso sempre aconteceu por falta de provas materiais, como no caso de João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, absolvido duas vezes porque as acusações foram baseadas apenas em delações premiadas. Quando existem provas materiais, os julgamentos invariavelmente da 8ª Turma acabam em 3 votos a 0.

CASO VACCARI – Embora ainda haja petistas que acreditam na possibilidade de  Lula ser declarado inocente, como base no que aconteceu com Vaccari, o retrospecto da 8ª Turma mostra o contrário. Quando surgiu um processo em que havia provas materiais contra Vaccari, a 8ª Turma aumentou a condenação dele – era de apenas 10 anos e passou para 24 anos de prisão. O ex-ministro José Dirceu também se deu mal. Estava condenado a 20 anos e 10 meses de prisão, no processo que envolve a empreiteira Engevix, e recentemente a 8ª Turma ampliou a pena para 30 anos, 9 meses e 10 dias.

Devido à abundância de provas no caso do tríplex, apontada na sentença minuciosa de 283 páginas, tudo indica que a condenação de Lula no TRF-4 será igual a de Dirceu (3 votos a zero). Isso significa que só haverá um tipo de recurso (Embargos de Declaração), que no caso não tem efeito modificativo nem suspensivo. E ficará afastada a hipótese de haver Embargos Infringentes, porque só podem ser apresentados quando o acórdão não é unânime.

Mesmo se houver divergência entre os três desembargadores quanto à dosimetria da pena, os Embargos Infringentes não mudam a condenação unânime, isso é conversa fiada dos petistas.

ESTRATÉGIA DO PT – Para tentar bagunçar a eleição, a estratégia do PT será registrar a candidatura de Lula no último dia – 15 de agosto. Com isso, o partido conseguirá que seu suposto candidato até apareça na TV, nos primeiros dias do horário eleitoral, que começa dia 31 de agosto.

Mas acontece que até o dia 12 de setembro, no máximo, a candidatura de Lula estará definitivamente impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral e ele não poderá mais aparecer na TV. Isso significa também que seu nome não constará na urna eletrônica, ao contrário da “fake news” que os petistas estão espalhando.

Só restará o recurso ao Supremo, mas não terá efeito suspensivo. Ou seja, a candidatura continuará impugnada. Como se dizia antigamente, a volta de Lula da Silva ao poder já era…*

(*) Carlos Newton – Tribuna na Internet


P.S. –
 O PT pode até ameaçar “matar gente”, como anunciou a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann, mas o destino de Lula já está traçado. É claro que haverá uma comoção nacional com a impugnação da candidatura dele, já em plena campanha eleitoral, mas a reação dos petistas e aliados poderá ser tranquilamente dominada pelas forças de segurança. Como dizem os árabes, “Mactub”. Em tradução livre, “Estava escrito”. (C.N.)

 

VAI QUE COLA

Excitações eleitorais, o fator Lula e a falsa candidatura de Rodrigo Maia


Excitações eleitorais fora de época podem ser comparadas à gravidez psicológica em gatas, que imaginam amamentar bichinhos de pelúcia. A imagem é de conversa com Antônio Carlos Magalhães, que morto está e não pode contestá-la. O impeachment de uma presidente da República e duas requisições para processar o sucessor, deixando de barato a destituição de um e a prisão de dois ex-presidentes da Câmara dos Deputados, são motes ausentes dos sermões de finórios travestidos de guardiões da moralidade, já que muitos deles, omissos em todas as ocasiões, são da corriola de cúmplices ou laranjas de investigados nos fatos lancetados pela Lava-Jato e outras operações assemelhadas, especialmente as relacionadas à lavagem de dinheiro e sonegação de impostos.

Os altos e baixos da campanha presidencial americana e o voluntarismo de Trump não parecem interromper por lá o crescimento da economia, assim como aqui o mercado já se descolou, há tempo, das alegorias típicas do recesso parlamentar, nascidas de um sanatório para se confundir com o quadro assim posto pela realidade:

1 — A candidatura Meirelles lembra Tancredo Neves: a política ilude mais do que o amor. Só de corpo presente é levada a sério.

2 — A candidatura Rodrigo Maia procura deixar o DEM com algum protagonismo no processo. Na hora certa, servirá para negociar a vice (de Alckmin) para o partido. Ele mesmo é candidato a deputado e à presidência da Câmara.

3 — Marina, Alckmin e Bolsonaro são candidatos consolidados.

4 — Ciro Gomes: candidato e bom debatedor, faz caça de espera. Instala-se no galho de uma árvore esperando a presa beber água e dá o bote. Pode ser qualquer presa. O problema é que, na falta de alguma, ele ataca a si próprio.

5 — Joaquim Barbosa é uma força à espera de um bom partido.

6 — Enfim, o fator Lula:

a) A condenação aos 24 de janeiro será associada ao 24 de agosto do suicídio induzido de Getulio Vargas e servirá para campanhas do PT;

b) Contas de prazos em recursos podem levar, em tese, ao registro da candidatura. Acontece que esse cálculo também é feito no Judiciário, para evitar a enorme crise do trânsito em julgado da condenação ser posteriorà eleição de Lula presidente. Não acontecerá.

c) Porém, Lula esticará a corda ao extremo, lançando-se candidato com um vice escolhido para substituí-lo quando chegar a hora da impugnação fatal. Josué Alencar concilia a boa sinalização para as classes produtoras com a atuação política em Minas Gerais, o segundo maior colégio eleitoral do país. Nome forte, ao lado de Jaques Wagner, duas vezes governador da Bahia, que elegeu o sucessor e está fora do radar da Lava-Jato.

d) Se absolvido, Lula será candidato e estará no segundo turno.

7 — Ultrapassado o julgamento de Lula e analisados os efeitos do resultado, o PPS de Roberto Freire realizará um congresso de aspecto amplo, em março, na tentativa de articular forças do centro democrático, e poderá até tirar da sigla a palavra socialista. Está de olho em atrair Luciano Huck, pouco importando as resistências do próprio. A impressão é que Huck não desidrata Alckmin, mas sim candidaturas populares. Joaquim Barbosa, com outro perfil, também está no cardápio.

Fora daí, é gastar o tempo com as fake news do Trump e daqui, todas candidatas ao museu de grandes novidades do Cazuza.

Na falta de mãe Dinah, que incluiria a candidatura de Sergio Moro, aí está a antecipação do cenário eleitoral. Se assim não for, culparemos as anomalias nos anéis de Saturno.*

(*) Miro Teixeira
O Globo

O MALACO ESTÁ APAVORADO

Lula ataca o juiz Moro e o presidente do TRF-4 durante ato em teatro no Rio

“Esse cidadão é bisneto do general que invadiu Canudos e matou Antônio Conselheiro. Talvez ele ache que eu seja cidadão de Canudos”, disse Lula. Segundo o site do TRF-4, o desembargador é trineto do coronel Tomás Thompson Flores, que teve atuação destacada na Guerra dos Canudos, quando foi o comandante de uma das tropas do Exército Brasileiro enviada para o interior da Bahia. O presidenciável discursou em evento organizado em apoio a permanência de sua candidatura, no Teatro Oi Casagrande, no Leblon, na Zona Sul do Rio. Lula falou a uma plateia de artistas e intelectuais. O teatro, com 976 lugares, estava lotado.

SENTENÇA IRRETOCÁVEL – A menção a Flores ocorreu depois que Lula disse que não faria críticas aos juízes de Porto Alegre, justamente porque não os conhecia. O ex-presidente disse achar estranho que em seis dias Flores tenha alegado ter conseguido ler todas as páginas do processo. “Eu acho estranho um juiz dizer que não leu a sentença do Moro, mas dizer acreditar que ela é irretocável”, disse.

Lula criticou ainda o juiz Sergio Moro, que o condenou por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no caso do triplex a seis anos e seis meses de prisão. Também direcionou críticas aos procuradores e delegados da Lava Jato que atuaram especificamente nas investigações do inquérito que o ex-presidente faz parte. Ele chegou a dizer que eles mereceriam ser exonerados. Lula aproveitou ainda para criticar a imprensa e a chamada elite brasileira que, segundo ele, teria proporcionado o que ele considerou como golpe contra a presidente Dilma Rousseff.

BOLSONARO – Ele criticou também o deputado Jair Bolsonaro (PSC), que está em segundo lugar nas pesquisas de opinião. Segundo Lula, depois de incitar a oposição contra Lula e Dilma, a imprensa teria criado o ambiente para o surgimento da candidatura de Bolsonaro. “Será que depois que eles extirparam os ‘tumores’ que eram eu e Dilma eles não pensaram que ia surgir uma coisa como o Bolsonaro.”, questionou. “

Entre os atores presentes estavam Osmar Prado, Herson Capri, Bete Mendes, Cristina Pereira, Tonico Pereira, Gregório Duvivier, Dira Paes, Chico Dias e Mônica Martelli. O ator Antônio Pitanga foi acompanhado de sua mulher, a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ). Também participaram do evento os sambistas Noca da Portela e Beth Carvalho, que compareceu de cadeira de rodas em razão de um problema de saúde. A escritora Conceição Evaristo, a filósofa Marcia Tiburi, e o escritor Eric Nepomuceno também participaram.

O coordenador-geral do MTST Gulherme Boulos, o produtor de cinema Luiz Carlos Barreto e diretor teatral Aderbal Freire Filho estiveram no evento, assim como o ex-prefeito do Rio Saturnino Braga. O ex-ministro Celso Amorim foi ovacionado pela plateia que cantou “Eô eô, Amorim governador”, num sinal de que haveria apoio a uma eventual candidatura do ex-chanceler para o governo do Estado do Rio.

PROVOCAÇÕES – Do lado de fora, no fim da tarde, um grupo de cerca de cem apoiadores de Lula aguardavam sua chegada com bandeiras e camisas vermelhas. Do outro lado da rua, um grupo de oposição também compareceu após convocação nas redes sociais. De início, apenas 20 pessoas gritavam palavras de ordem e estendiam cartazes pedindo a prisão de Lula. Logo os grupos de apoio e oposição se igualaram em número.

Apesar disso, não foram registradas maiores desavenças. Sempre que um integrante de um dos lados atravessava a rua para provocar os rivais, a polícia afastava os que estavam com ânimos mais exaltados.

A GRANDE FAMIGLIA

Jefferson, o pai da “ministra” processada, defende extinção da Justiça do Trabalho

Responsável por denunciar o esquema do mensalão , Jefferson diz não se arrepender e que faria tudo outra vez. Para as eleições deste ano, defendeu a candidatura do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), disse que o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) não tem “embocadura política” e que Jair Bolsonaro (PSC-RJ) não deve chegar ao segundo turno.

POSSE –  “Nós temos de exaurir isso. Cristiane Brasil enfrentou as duas reclamações[trabalhistas] por entender que não eram justas e as pagou. Negar ao cidadão o direito de se defender é pior que interferir no ato de um presidente. Quando você diz que isso é imoral, que a Justiça do Trabalho prevalece acima de tudo, isso é uma ditadura trabalhista. Foi feito barulho contra a Cristiane dizendo que ela é imoral. Imoral é aquele que se defende de acusações que acha que são injustas? A minha filha se defendeu, foi condenada e pagou. A pena na Justiça do Trabalho é capital ou perpétua? Isso é gravíssimo, porque nega a cidadania. A Justiça do Trabalho agora quer dar lição de moral em todas as pessoas e eu não vejo qualidade nela para dar lição de moral.”

JUSTIÇA TRABALHISTA –  “É socialista e populista. Não consigo entender o custo benefício dela. Temos 2% da mão de obra regular, reconhecida com carteira assinada, e 85% das reclamações trabalhistas do mundo. O que mostra que é uma indústria do reclamante, porque o reclamado sempre perde. A Justiça do Trabalho custou no ano passado R$ 22 bilhões para dar de soluções entre indenizações e acordos menos de R$ 8 bilhões. Ela é a babá mais cara do mundo. Você não tem defesa na Justiça do Trabalho. Nós tínhamos que acabar com a Justiça do Trabalho, porque ela é uma excrescência brasileira, e julgar na Justiça comum.”

INDICAÇÃO DA FILHA –  “Na última vez que conversei com o presidente Michel Temer, ele disse que vai levar isso [a indicação de Cristiane Brasil] até o final. Ele acha que foi uma intervenção descabida e indevida e ele quer discutir isso até o final. Eu vou até o final, até o momento em que o presidente garantir o que ele me falou. Eu acho que o STJ [Superior Tribunal de Justiça] já tem uma outra visão. O Rio de Janeiro é um Estado muito socialista, tanto que faliu. Não vejo razão para o presidente se sentir pressionado e, por mim, não está sendo pressionado. Isso vem para atingir a mim, que venho numa luta contra a esquerda e contra o PT.”

MENSALÃO –  “Eu não delatei. Se você falar em delatar, paro de fazer a entrevista contigo. Delação premiada é conversa para vagabundo, é para canalha. Eu fiz essa denúncia à Folha [em entrevista em 2005]. Se vocês já se acham capazes de negociar delação, a Folha está maior que o Ministério Público. Não vejo na bela Renata Lo Prete [ex-repórter do jornal a quem Jefferson denunciou o mensalão] uma procuradora da República, uma bruxa má. Eu, absolutamente [não me arrependo]. Fiz o que tinha que ser feito.”

LULA –  “Vai correr o risco gravemente de ter um mandado de segurança ao seu favor, disputar a eleição e depois não computar o voto. Ele não ganha a eleição em primeiro turno. Não tem a menor chance. Ainda mais tendo perdido a classe média. Ele vai ter 20%, 25%. Não vai para o segundo turno. Vão os segundo e terceiro colocados. Você enterra o mito na eleição. Senão ele vai ficar a vida inteira gritando que foi vítima do [juiz federal] Sergio Moro, do Tribunal do Rio Grande do Sul, dos procuradores da República.”

APOIO – ” [O PTB] é muito próximo do Geraldo Alckmin. É uma velha amizade e um respeito muito grande que temos pela trajetória dele. É um homem que tem lastro e passou incólume por todas essas suspeitas, todas essas acusações. É um homem pronto para assumir o Brasil.”

MAIA E MEIRELLES –  “Não vejo vontade dos partidos de lançar candidato a presidente. Penso que o Rodrigo [Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara] está na imprensa muito bem. Tem se colocado muito bem aos olhos da opinião pública, vai ser o deputado mais bem votado do Rio de Janeiro e vai ter toda chance de presidir a Câmara dos Deputados novamente. E o Meirelles, não vejo embocadura política nele. Não quero discutir economia com o Meirelles porque ele é um profundo conhecedor disso. Mas ele não venha discutir política comigo porque eu dou um baile nele. Política é para político. Esse negócio de outsider eu acho complicado.”

BOLSONARO –  “Ele vai ter muito voto. Se o Lula sair, o Bolsonaro cai. [São] tese e antítese. Mas se o Lula for até o final, mesmo pendurado em mandado de segurança, o Bolsonaro vai ter seus 15%, é o que as pesquisas vêm dando. Não vai passar para o segundo turno.”

CANDIDATURA – “Vou ser candidato a deputado federal por São Paulo. Eu busco a verdadeira absolvição para as minhas atitudes, que é o voto popular.”*

(*) Gustavo Uribe e
Daniel Carvalho
Folha de São Paulo

SEMPRE OS CORRUPTOS…

Aliados demonstram apreensão ao Planalto com afastamento dos vices da Caixa

charge_temer_quer_privatizar_a_caixa

Charge do Márcio Baraldi (Arquivo Google)

Apesar do silêncio oficial, nos bastidores os padrinhos políticos dos vice-presidentes afastados da Caixa Econômica Federal demonstraram apreensão com os desdobramentos do episódio. O recado foi repassado ainda na noite de terça-feira (dia 16) ao Palácio do Planalto. Integrantes dos partidos PR, PRB e PP externaram preocupação com o destino de seus afilhados no banco estatal.

Nesta terça-feira (16) o presidente Michel Temer determinou o afastamento de quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal. São eles: Antônio Carlos Ferreira, Deusdina dos Reis Pereira, Roberto Derziê de Sant’anna e José Henrique Marques da Cruz.

PRÓXIMO A TEMER – O blog já havia revelado que no Palácio do Planalto a preocupação era com Roberto Derziê de Sant’anna, nome próximo do próprio presidente Michel Temer.

Além da insatisfação da cúpula dos partidos com o desfecho, há um temor em relação ao estado emocional desses executivos da Caixa que entraram na mira da investigação pelo Ministério Público Federal.

O proprio PP decidiu fazer uma blindagem ao presidente da Caixa, Gilberto Occhi, temendo uma pressão pela substituição dele no comando do banco.*

(*) Gerson Camarotti
G1 Brasília

É UMA VERGONHA!

Com 2 apartamentos no Leblon, filha de Fux ganha auxílio-moradia

Marianna Fux, desembargadora do TJ-RJ, recebe auxílio-moradia de R$ 4.300 por mês mesmo com dois apartamentos no Leblon que valem no mínimo R$ 2 milhões, informa o BuzzFeed.

O pai dela, Luiz Fux, é o mesmo ministro do STF que concedeu liminar para que todos os magistrados brasileiros obtivessem o direito ao auxílio-moradia.

Marianna, que se tornou desembargadora aos 35 anos e hoje tem 37, disse que recebe o valor conforme a lei e as regras do Conselho Nacional de Justiça.*

 

(*) O ANTAGONISTA

A “COMANDANTA” DO PT

Gleisi dispensa o PT de morrer em defesa do chefe bandido

A bravata da presidente do PT durou um dia: a declaração de guerra foi anulada pelo Twitter

Uma frase declamada no meio da entrevista concedida nesta segunda-feira ao site Poder 360 manteve Gleisi Hoffmann no palco onde um bando de canastrões e vigaristas encena a Ópera dos Malandros, peça humorística que celebra a inocência de Lula. Ouçam o que disse a principal figura feminina do elenco:

“Para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais do que isso, vai ter que matar gente”. Nesta tarde, a principal figura feminina do elenco cancelou a bravata no Twitter. Disse que “usou uma força de expressão para mostrar o quanto Lula é amado pelo povo brasileiro”.

Quase todo integrante do partido que virou bando lembra um napoleão-de-hospício. Mas nem o mais desatinado devoto da seita está disposto a perder a vida para preservar a liberdade de um criminoso condenado a 9 anos e meio de cadeia por corrupção e lavagem da noite.*

(*) Blog do Augusto Nunes