INACREDITÁVEL

 Brasil: o país onde se espanca professores que nas ruas pedem mais salários

É preciso responsabilizar os culpados, em todos os níveis, mas é preciso também explicar como é possível que professores sejam perseguidos e espancados nas ruas

Não consigo imaginar qualquer outro país com as cenas que vimos esta semana de professores sendo espancados nas ruas de Curitiba. Ainda mais difícil encontrar país onde haja comemoração dentro da sede do governo ao ver professores sendo perseguidos por policiais e cachorros. E isto acontecer em um país cujo governo nacional usa o slogan de Pátria Educadora. E deixa educação nas mãos dos governos locais.

Daqui a alguns anos haverá tentativa de explicar como aquilo aconteceu. O mais visível é a incompetência policial. Mas no âmago a causa é o histórico desprezo nacional pela educação, que se mostra com o desprezo ao magistério.

Houvesse empolgação nacional com educação, professor seria profissional respeitada, seus salários estariam entre os melhores, não haveria necessidade de greves, eles não precisariam manifestar-se nas ruas, aquelas cenas não ocorreriam. E se ocorressem, o Brasil inteiro se levantaria contra os causadores da vergonhosa perseguição.

Mas, o desprezo fará com que alguns fiquem incomodados, e logo esquecerão, outras greves levarão a movimentos similares e outras violências ocorrerão.

É preciso responsabilizar os culpados, em todos os níveis, mas é preciso também explicar como é possível que professores sejam perseguidos e espancados nas ruas. É imaginar que país teremos com fatos como esse.*

(*)  Cristovam Buarqueé professor emérito da UnB e senador pelo PDT-DF