PELA BOLA SETE

Saída de Levy aumentaria chance de Dilma não terminar o mandato, opina Eurasia

Consultoria de análise de risco político vê uma menor confiança da presidente no ministro

000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000Dilma-incompetenta2

SÃO PAULO – O ministro Joaquim Levy, visto como o principal responsável pela manutenção do grau de investimento do país mesmo com a grave deterioração fiscal no Brasil, está perdendo a confiança da presidente Dilma Rousseff, avalia a consultoria de risco político Eurasia em uma análise desta quarta-feira (2).

“Parece cada vez mais claro que a decisão do governo em reduzir a meta fiscal de 2016 de 0,7% do PIB para um déficit de 0,5% mostra que Rousseff perdeu parte da confiança sobre o ministro da Fazenda, Joaquim Levy”, ressalta a Eurasia em nota assinada por Christopher Garman, João Augusto de Castro Neves e Cameron Combs.

Para os analistas, é improvável que Levy deixe o cargo tendo em vista que as negociações orçamentárias com o Congresso irão provavelmente produzir medidas suficientes para alterar parcialmente a queda no Orçamento. “Entretanto, as apostas de ele deixar o cargo – particularmente em 2016 – claramente aumentaram, um cenário que poderia elevar também as apostas de Rousseff não conseguir terminar o seu mandato”, apontam.

A Eurasia argumenta que a presidente teria dificuldades em encontrar um substituto a ele a partir do setor privado com a credibilidade na administração fiscal e, portanto, o mais provável é que Nelson Barbosa assuma o cargo. A consultoria vê que tal cenário traria um “significativo” impacto na credibilidade do governo.

Com isso, o apoio da elite política econômica à presidente poderia se reduzir, a tornando mais vulnerável para, por exemplo, vencer disputas no Congresso Nacional e em instituições como o Tribunal Superior Eleitoral (Tribunal Superior Eleitoral).*

(*) O Financista

Untitled

Foi numa casca de banana…

00000000000000000000000000-aaaaaaaa

Há duas definições possíveis para o Governo Dilma, parte 2:

1) À falta de oposição, o Governo decidiu se opor a si mesmo (e com êxito).

2) Se há uma casca de banana na outra calçada, Dilma vai lá para escorregar.

A aprovação da presidente vai mal. Aí o Governo anuncia que, contrariando a tradição, não vai pagar em agosto a metade do 13º dos aposentados, por falta de dinheiro. Cai o mundo – e o Governo dá um jeito de pagar em setembro. O preço do desgaste já foi pago; e o dinheiro que queriam poupar foi gasto assim mesmo.

É pouco? O Governo anuncia a volta do Imposto do Cheque, a CPMF, com o nome-fantasia de CIS. Cai o mundo – e o Governo desiste da tunga. O preço do desgaste já foi pago. E o Governo continua sem o imposto que queria atochar.

 

O super-Pixuleco

0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000011947486_755328381237777_5801764685015062037_n

Era um boneco inflável engraçado, para ser exposto em meia dúzia de manifestações e ser devidamente arquivado. Mas os petistas mais alucinados o encararam como manifestação de lesa-majestade, e já o perfuraram duas vezes, uma delas a facadas. Resultado: o boneco inflável de Lula vestido de presidiário, com os números 13 (do PT) e 171 (artigo do Código Penal que trata de estelionato), virou símbolo dos movimentos Fora PT.

É a primeira vez, ao que se lembre este colunista, em que um Governo e um partido polemizam com um boneco inflável. O prefeito Fernando Haddad, uma usina de factoides inúteis, quer proibir o Pixuleco em São Paulo por violação da Lei da Cidade Limpa (que proíbe outdoors, painéis publicitários, etc.)

Resultado: já foi apelido de Mixureco. Tem lógica.*

(*) Coluna Carlos Brickmann, na Internet

IGUAL AO DESGOVERNO DA DILMA

Unimed Paulistana quebra e troca de gestor será em 30 dias, ordena ANS

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000A CHARGE DA UNIMED PAULISTANA

É o maior fracasso do mercado de saúde no Brasil

Empresa tem 744 mil clientes e fatura R$ 2,7 bi ao ano

Clientes estão protegidos durante a transição

A crise no sistema de saúde complementar no Brasil se agravou hoje com a decisão da ANS sobre a Unimed Paulistana. A operadora terá de entregar sua carteira de clientes para um outro administrador em 30 dias, a contar da data da notificação, publicada nesta 4ª feira (2.set.2015) no “Diário Oficial da União”.

Essa entrega dos clientes para outro operador é a chamada “alienação” compulsória, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar. Eis o trecho que trata da Unimed Paulistana no “Diário Oficial” (clique na imagem para ampliar):

DOU-ANS-Unimed-2set2015A troca obrigatória do controlador terá de ocorrer, segundo a ANS, por causa de “anormalidades econômico-financeiras e administrativas graves que colocam em risco a continuidade do atendimento à saúde”. Estão suspensas as vendas de planos de saúde da Unimed Paulistana.

Pelo porte da empresa, trata-se do maior fracasso financeiro de uma operadora de saúde complementar da história brasileira.

Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar em um comunicado distribuído nesta 4a feira (2.set.2015), “a Unimed Paulistana possui aproximadamente 744 mil beneficiários, em sua maior parte residente no município de São Paulo, e dos quais 78% estão em planos coletivos (empresariais e por adesão)”.

Quando se considera uma mensalidade média de R$ 300 por cliente, a Unimed Paulistana fatura em torno de R$ 2,678 bilhões por ano.

No ranking das maiores empresas de saúde publicado pelo jornal “Valor”, a Unimed Paulistana aparece na 5ª posição em 2014. E a 4ª com o maior lucro operacional. As tabelas estão ao final deste post.

Os clientes da Unimed Paulistana estão preservados no período de transição para um novo operador da empresa.

A ANS informou que a nova operadora interessada em assumir a carteira de 744 mil clientes “deverá possuir situação econômico-financeira adequada e manter as condições dos contratos sem prejuízos aos consumidores”. Será dada prioridade a alguma outra Unimed.

Caso nenhuma das Unimed (uma rede de cooperativas de prestação de serviços de saúde complementar) se interessar, a ANS fará uma oferta pública “para que operadoras interessadas ofereçam propostas de novos contratos aos beneficiários da Unimed Paulistana”.

Esse negócio bilionário deve abrir espaço para outras operadoras de fora do sistema Unimed para assumir uma parte dos 746 mil clientes da empresa quebrada.*

(*) Blog do Fernando Rodrigues – UOL

DILMALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

A peleja do governo com o Congresso em torno de uma peça de ficção

Peleja (Foto: Arquivo Google)

 

Devolver ao governo, como pede a oposição, Renan Calheiros, presidente do Senado, diz que não o fará.

Ficará no Congresso, portanto, a proposta do Orçamento da União para 2016 despachada para lá pelo governo.

Mas assim como Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, Renan também considera que é problema do governo tapar o buraco de 35 bilhões do orçamento.

– Quem faz a peça orçamentária é o poder Executivo – disse Eduardo.

Renan completou:

– Os ajustes poderão ser feitos aqui, mas cabe ao governo propor alternativas para a superação do déficit orçamentário. Não espere que o Congresso possa fazer isso. O que nos cabe é propor saídas para o Brasil.

Quem pariu Mateus, pois, que o embale.

Nelson Barbosa, ministro da Fazenda, imaginou tapar o buraco ressuscitando a CPMF, o imposto sobre o cheque.

Foi tal a gritaria que a CPMF durou menos do que uma rosa.

Joaquim Levy, ministro da Fazenda, defendeu mais cortes de despesas para tapar o buraco do orçamento.

Dilma não topou. Reinvestida da função de Ministra da Economia, preferiu transferir o problema para o Congresso.

Passará à História como a primeira presidente a enviar ao Congresso um orçamento deficitário.

Em torno de uma peça de ficção, que é o Orçamento, o país assistirá até o fim do ano à peleja entre um poder (Executivo) que abdicou de uma tarefa que era sua e outro (Legislativo) que finge nada ter a ver com isso.

No que vai dar?

Ora, no previsível: em mais um serviço mal feito.*

(*) Blog do Ricardo Noblat

TORQUEMADA DA PIADA PRONTA

O príncipe e os súditos

000 - a marcelo odebrechet

BRASÍLIA – Herdeiro da maior empreiteira do país, o executivo Marcelo Odebrecht é conhecido pelo apelido de príncipe. Nesta terça, ele deixou a prisão para ser cortejado por um diligente grupo de súditos: os deputados da CPI da Petrobras.

O depoimento se transformou em uma ação entre amigos. Os inquisidores pareciam concorrer para ver quem elogiava mais o empresário, que responde a ação penal por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

“Senhor Marcelo, é a primeira vez que tenho a oportunidade de estar pessoalmente no mesmo ambiente que o senhor”, desmanchou-se Altineu Côrtes (PR-RJ). Depois, ele disse conhecer empregados da Odebrecht que sentem “profundo orgulho” do patrão. Só faltou pedir autógrafo.

Valmir Prascidelli (PT-SP) formulou uma pergunta curiosa ao investigado. “O sr. acha adequada e correta a sua prisão, considerando que sempre se colocou à disposição da Justiça?” Odebrecht retribuiu, sensibilizado: “Agradeço muito as perguntas que o sr. está fazendo, porque elas seriam as minhas respostas”.

Delegado Waldir (PSDB-GO), que na véspera chamara José Dirceu de “ladrão”, parecia outra pessoa. “Parabéns, eu também me orgulho muito do meu pai”, disse, quando o empreiteiro citou o patriarca Emilio.

Outro tucano, Bruno Covas (PSDB-SP), se mostrou compreensivo quando o réu se recusou a responder perguntas: “Não precisa pedir desculpas, até porque é um direito seu”.

É elogiável que os deputados façam perguntas em tom educado. Mas o excesso de mesuras ficou constrangedor até para os padrões da CPI, que tem se empenhado em proteger réus e perseguir delatores da Lava Jato.

No fim, Carlos Andrade (PHS-RR) quis saber se o executivo continua a defender o financiamento privado de campanhas. Em 2014, o grupo Odebrecht doou R$ 918 mil a deputados da CPI. “Sou a favor, sempre fui”, respondeu o príncipe encarcerado. Os súditos pareceram respirar aliviados.*

(*) BERNARDO MELLO FRANCO – FOLHA DE SÃO PAULO

LEVY SUBIU NO TELHADO

Levy saiu do prazo da garantia

O Joaquim Levy “mãos de tesoura” não existe mais. Havia algo de fantasia na figura do banqueiro sorridente e severo que daria um novo rumo ao desastre econômico produzido pela doutora Dilma. Ele parecia o tal porque todo ministro da Fazenda que entra é o imperador Napoleão chegando a Moscou. Quando as coisas dão errado, a menos que vá embora porque não aguenta mais, sai como o general Bonaparte, ferrado, voltando para Paris.

Levy saiu do prazo de garantia. Não é mais o que seria, mas, na verdade, nunca chegou a sê-lo. Resta saber qual o prazo que lhe resta para sair do prazo de validade. Guido Mantega, seu antecessor, nunca teve certificado de garantia ou de validade e tornou-se o primeiro caso de ministro apreendido, publicamente dispensado em setembro para deixar o cargo em janeiro.

Levy sempre foi um estranho no “bunker” dos comissários. O que ninguém esperava é que fritassem a gestão da economia com episódios vulgares. O senador Renan Calheiros, genericamente abençoado pelo Planalto, propôs cobrar o atendimento no SUS. Dois dias depois, desistiu. O ministro Nelson Barbosa soltou a ideia do retorno da CPMF. Durou dois dias e o recuo se deu enquanto Levy defendia a medida numa palestra em Campos de Jordão. Nesse episódio encapsula-se algo maior. Faltou alguém que lhe mandasse ao menos um tuíte: “Saltamos da CPMF”.

Coisas desse tipo só acontecem quando outras coisas já aconteceram. Mandar ao Congresso um Orçamento prevendo um deficit de R$ 30,5 bilhões sem dizer mais nada é uma cenografia irresponsável. O que o governo chama de uma peça realista e transparente significa apenas que parou de mentir.

Se um presidente e seu ministro da Fazenda caminham na mesma direção, as coisas podem funcionar. Isso sucedeu com Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, ou com FHC e Pedro Malan. Dilma e Guido Mantega mostraram que essa regra é falível, pois formaram uma inédita dupla de fracasso. Quando caminham em direções diferentes, não há a menor chance de dar certo.

Levy já se deu conta de que se meteu numa encrenca. Tendo perdido a garantia, fica diante do risco de uma característica dos ministros com validade vencida. Quando ela caduca, a iniciativa de ir embora sai das suas mãos. Transformado em lenço de papel, acaba voltando para casa e seu sucessor é homenageado pela Fiesp, com direito a um jantar no Alvorada com os empresários habituais.

Entre esses dois momentos, todos os ministros vivem num dilema. Percebem que chegou a hora de ir embora, mas temem que isso piore a situação do país, o que nem sempre é verdade. A maioria fica e pioram os dois.

Assim como Dilma nunca se associou à Operação Lava Jato (“não respeito delator”) ela nunca se associou a Levy. De certa maneira, nem ele a ela. Contudo, adotou o mantra roussefiano da “crise transitória”. Isso não quer dizer nada, pois tudo é transitório, inclusive os dois e até mesmo a rainha Elizabeth 2ª.

As pedaladas retóricas em que se meteram Dilma e Levy colocam o país diante de um retorno ao pesadelo que foi a Década Perdida. Não se sabe direito quando ela começou, mas terminou em 1993 quando o presidente Itamar Franco botou Fernando Henrique Cardoso no ministério da Fazenda e os dois andaram juntos.*

(*) Elio Gaspari – Folha de São Paulo

ESCROQUE JURAMENTADO

Para Lula, ‘irracionalidade’ leva pessoas às ruas

Lula discursou na noite desta terça-feira no lançamento de um site chamado ‘Memorial da Demcoracia’. Falou sobre os protestos anti-Dilma. Isinuou que as manifestações ocorrem porque um pedaço da sociedade brasileira sofre de “irracionalidade emocional”.

Munido de seus autocritérios sobre a racionalidade, Lula enxerga nas manifestações contra a corrupção e a favor do impeachment de Dilma Rousseff coisas que o comum dos mortais não vê. Para ele, o asfalto ronca contra a democracia, a favor do congelamento do salário mínimo, pela eliminação dos direitos das empregadas domésticas e por menos negros nas universidades.

Lula comparou as manifetações contemporâneas às passeatas do passado, frequentadas por vários dos militantes que escutavam o seu discurso, feito num sindicato, em São Bernardo. Tomado pelas palavras, o morubixaba do PT acha que não se fazem mais protestos como antigamente.

“[…] Aqui, neste sindicato, ninguém pode reclamar, porque todo mundo já xingou alguém e já carregou uma faixa contra alguém. Então, a gente não pode estar nervoso por manifestações contra nós. Temos de encarar isso com uma certa normalidade”, disse Lula.

Ele prosseguiu: “Agora, a gente tem de saber por que eles estão se manifestando. Aqui tem gente que foi presa, que foi torturada, e em torno de que a gente lutava? Sempre que fomos para a rua, fomos reivindicar melhores condições de vida para o povo brasileiro”.

Nesse ponto, Lula comparou as agendas das velhas passeatas e dos protestos que fustigam Dilma, o PT e ele próprio:

“A gente ia para a rua para valorizar o salário mínimo; tem gente agora indo pra rua contra o aumento do salário mínimo. Nós cansamos de ir pra rua tentando melhorar a condição de vida da empregada doméstica; tem gente indo à rua agora contra as melhorias para as empregadas, que eles preferem chamar de secretária, mas não querem pagar direitos. Fomos para a rua defender as cotas para o povo negro nas faculdades. Tem gente indo para a rua contra.”

Lula estimulou a militância petista a pegar em lanças: “Contra esses, a gente tem que lutar. Se a gente não fizer esse debate, estaremos enfraquecendo o processo democrático neste país.”

Numa versão planetária do ‘nós contra eles’, o sábio da tribo do PT grudou nos brasileiros que descem ao meio-fio a pecha de elite preconceituosa: “Vocês estão vendo o que está acontecendo com a crise de imigração na Europa, e aqui no Brasil também, com os haitianos. Existe uma política de preconceito contra as pessoas mais humildes do mundo inteiro.”

Lula ironizou os panelaços que soam nas noites de transmissão de pronunciamentos de Dilma e de propagandas do PT na televisão. “As pessoas baterem panela quando tem pronunciamento nosso é um ato democrático. Não incomoda ninguém, não atrapalha tanto. O problema é que a empregada depois vai lavar a panela e aí é difícil. Se tiver amassada, vai ser complicado.”

Numa rara concessão à irracionalidade, Lula admitiu a certa altura que talvez seja o caso de o petismo fazer uma concessão à autocrítica: “A única coisa é que temos que medir […] se nós estamos fazendo aquilo que nos propusemos a fazer. Se a gente está certo ou se a gente está fazendo tudo ou se tem alguma coisa para a gente fazer. E a gente tem que medir a pressão para saber também por que eles estão se manifestando.”

Lula reconheceu que os petistas também estão sujeitos à condição humana. “Temos que levar em conta que cometemos erros. Temos defeitos.” Mas logo recobrou a racionalidade plena: “Ninguém fez mais o que nós fizemos por esse país.”

Onde Lula enxerga “erros”, a Polícia Federal, também às voltas com um surto de “irracionalidade emocional”, enxerga crimes. Horas antes de o cacique do PT discursar em São Bernardo, a PF indiciara em Curitiba mais 14 investigados na Operação lava Jato. Entre eles dois “gerreiros do povo brasileiro”: José Dirceu e João Vaccari Neto.

Dirceu foi indiciado por formação de quadrilha, falsidade ideológica, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Vaccari coleciona as mesmas imputações, além de uma outra: integrar organização criminosa. Sobre os indiciamentos dos dois amigos, Lula não disse nada. Ainda assim, deve-se torcer para que o orador mantenha o seu maravilhoso esforço para atingir a lucidez que falta às ruas.

Mantendo-se do lado racional da vida, Lula não tardará a descobrir a identidade do sósia que enlameou seus dois mandatos. Está claro que alguém muito parecido com o líder máximo do PT privatizou a Petrobras, entregando-a ao conluio que juntou burocratas, políticos e empreiteiros numa pilhagem nunca antes vista na história desse país.

Se conseguir achar o sósia que se fez passar por ele, Lula desfrutará do benefício adicional de ter alguém para responsabilizar pela irracionalidade de ter vendido Dilma ao eleitorado como uma gerentona infalível.*

(*) Blog do Josias de Souzaa

DEPOIS DE PEDIR MÚSICA NO ‘FANTÁSTICO’, ZÉ DIRCEU DE NOVO NAS PARADAS

PF indicia José Dirceu, Vaccari e mais 12 pessoas em inquérito na Lava Jato

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000spon zé dirceu

Entre os indiciados, estão também o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, o irmão de Dirceu, Luiz Eduardo, e o empreiteiro Gerson Almada, da Engevix.

O relatório da Polícia Federal, assinado pelo delegado Márcio Adriano Anselmo, diz que a investigação se insere em “um contexto maior de desvio de recursos em que uma estrutura criminosa sistêmica foi inserida no seio estrutura do governo federal”.

O documento elaborado pelo policial afirma ainda que indicações para cargos públicos na Petrobras geravam “cobrança” de valores de empresas para beneficiar os envolvidos.

O ex-ministro foi preso há um mês na 17ª fase da Lava Jato, batizada de “Pixuleco”. Dirceu até agora ficou em silêncio ao prestar depoimentos na CPI da Petrobras e à Polícia Federal.

A PF decidiu indiciá-lo sob suspeita de formação de quadrilha, falsidade ideológica, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Depoimentos do delator Milton Pascowitch, que diz ter intermediado repasses ao ex-ministro, ajudaram a embasar as conclusões da investigação. O delator também foi indiciado.

A reportagem ainda não conseguiu localizar os advogados dos suspeitos.*

(*) UOL

NÃO EXISTE MAIS GOVERNO

Desânimo se espalha pelo

ministério de Dilma

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000nani

Em conversa com o blog, na noite desta segunda-feira, um dos ministros de Dilma Rousseff desabafou: “Hoje, há dois tipos de ministros em Brasília: os que administram a crise e os que são administrados por ela. Joaquim Levy e Nelson Barbosa, os gestores da crise, batem cabeça. Os demais quebram a cabeça procurando maneiras de gerenciar a escassez. A grande maioria administra o nada, sabendo que terá nada menos alguma coisa depois que Fazenda e Planejamento chegarem a algum tipo de acordo.”

O auxiliar de Dilma falou com o repórter sob o compromisso de não ter o nome revelado. Contou que o desânimo se espraia pelo primeiro escalão do governo. “Quando aceitei participar do elenco do segundo mandato da presidenta Dilma, sabia que não seria o protagonista. Mas não imaginei que viraria figurante de um filme sem roteiro, mal dirigido e com orçamento deficitário. Pensei em pedir para sair. Fui aconselhado a ficar. Isso foi há um mês. Desde então, meus dias são feitos de arrependimento.”*

(*) Blog do Josias de Souza