PERGUNTAR NÃO ESTUPRA

Que presidente é esse que não pode ir a lugar nenhum?

O fantasma que assombra Temer

Nos últimos quatro meses, esta é a segunda vez que o presidente Michel Temer cancela viagem que faria a países do Sudoeste Asiático.

Em janeiro, não foi por recomendação médica. Havia passado por uma cirurgia para desobstruir a uretra. Mais do que justificável.

Agora, não irá porque “o Congresso tem matérias importantes a votar nesta semana”, explicou um dos seus auxiliares.

Tem nada. Com o feriado de amanhã, o Congresso liberou deputados e senadores para que só voem a Brasília a partir do próximo dia oito.

Temer desistiu de viajar porque a filha Maristela será ouvida pela Polícia Federal na próxima quinta-feira. E ele quer ficar por perto. Compreensível.

A polícia quer saber por que Temer pagou a reforma da casa da filha, e por que o fez com dinheiro vivo entregue por terceiros.

O fantasma da terceira denúncia consecutiva por corrupção assombra Temer e os que o cercam. E assim será pelos próximos meses.

Aconteceu o que Temer menos desejava desde que assumiu a presidência da República: chegar ao fim do seu mandato como um morto vivo.

Em Brasília, ele ainda pode circular com alguma facilidade, e até ser visto em restaurantes de vez em quando.

Fora dali, não. Viaja a Estados para eventos fechados ou só abertos a gente confiável que não o hostilizará. E é só.

Deputados que o ajudaram a salvar-se das duas primeiras denúncias estão arrependidos. Nada que de fato importe será mais aprovado por eles.

Sua eventual candidatura a um novo mandato não passa de uma peça de ficção. Seria uma maneira de ele não ser excluído de sua própria sucessão.

Comemore se conseguir manter-se cargo até 31 de dezembro próximo.*

(*) Blog do Ricardo Noblat