FINALMENTE…

Entenda como o PT enfim se rendeu à Justiça e enterrou a candidatura de Lula

O veto já era esperado, mas o voto do ministro Luís Roberto Barroso incluiu uma pancada adicional no PT. Além de perder o candidato que lidera as pesquisas, o partido ficaria proibido de fazer campanha até formalizar sua substituição. O tempo da sigla na TV seria ocupado por uma tela azul.

VOTO E RENDIÇÃO – O advogado Luiz Fernando Casagrande protestou. Ele lembrou que há quatro anos um candidato morreu, e seu partido continuou no horário eleitoral enquanto não anunciava a substituta. Cassar o tempo dos petistas, como propôs Barroso, só reforçaria a tese de perseguição judicial. Os ministros pensaram melhor e decidiram recuar. Horas depois, foi ao ar o primeiro programa do PT, já estrelado por Fernando Haddad.

O episódio ganha importância por outro detalhe. Ao contestar a punição extra, o advogado jogou a toalha sobre o essencial. “O PT se rende à decisão”, disse, referindo-se ao veto à candidatura. “Nós perdemos hoje aqui. Lula está fora. Não pode mais aparecer como candidato a presidente”, acrescentou.

A fala indica que o velho pragmatismo petista está de volta. O partido ainda fará barulho, mas não parece disposto a cometer suicídio eleitoral. A indicação de Haddad deve ser oficializada nos próximos dias, depois de mais uma consulta a Lula em Curitiba.

CONFRATERNIZAÇÃO – Enquanto o TSE enterrava a candidatura do ex-presidente, seu afilhado confraternizava com “golpistas” em Fortaleza. Ele posou para fotos com Eunício Oliveira, chefe local do MDB. O senador apoiou o impeachment e comanda um latifúndio de cargos no governo Temer.

Concorde-se ou não com o resultado, a sessão do TSE será lembrada como a maior interferência do Judiciário numa sucessão presidencial desde o fim da ditadura.

No ano passado, o tribunal salvou o mandato de Michel Temer ao arquivar um processo contra a chapa vitoriosa em 2014. O ministro Herman Benjamin definiu o veredicto como um “enterro de prova viva”. A composição do TSE é rotativa, e quatro dos sete ministros que atuaram no caso não estão mais lá. Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira votaram a favor de Temer e contra Lula. Rosa Weber votou contra os dois.

PAIS E FILHOS – Na estreia do horário eleitoral, o filho de Sérgio Cabral pediu voto “em defesa do idoso”. Não mencionou o pai, que já foi condenado seis vezes e pode envelhecer na cadeia.

A filha de Eduardo Cunha não quis disfarçar: até exibiu imagens do ex-deputado. Coragem é isso aí.*

(*)  Bernardo Mello Franco
O Globo