A PIADA DO DIA

TERÇA-FEIRA, 30 DE JULHO DE 2019

 

Resultado de imagem para hackers - charges

Questionado sobre sua atual ocupação, Walter Delgatti Neto disse hoje em depoimento que ganha dinheiro com trabalhos de faculdade.

“Trabalho com monografias e ganho bem com isso.”

É um intelectual.*

(*) O Antagonista

FIM DE CARREIRA

Digitalização faz Itaú fechar mais de 200 agências

Processo de corte em unidades físicas do banco vai continuar nos próximos meses


A digitalização das operações bancárias começa a afetar com mais força a sobrevivência de agências e postos de atendimento —o negócio físico— do Itaú. O banco fechou mais de 200 agências no primeiro semestre e deve continuar o processo de redução na rede de atendimento nos próximos meses.

Em paralelo, o banco anunciou um PDV (Programa de Demissão Voluntária (PDV) para funcionários acima de 55 anos.

“Diversas iniciativas digitais têm contribuído para maior necessidade de mão de obra. Ao fazer a redução, nós miramos um público que nós acreditamos que pode estar mais propenso e desejoso de ter uma alteração de carreira, seja porque está em idade que as pessoas começam a ponderar (mudança de carreira), seja pelas condições de estabilidade (financeira)”, disse o presidente do Itaú, Candido Bracher.

O grupo considerado apto para o PDV inclui 6.900 funcionários. Pelas regras do programa, eles poderão aderir durante o mês de agosto.

Atualmente, o banco tem 85.160 funcionários no Brasil —cerca de mil a menos do que tinha no ano passado.

Os desligamentos chegaram a afetar os resultados do Itaú, que teve um crescimento com despesa de pessoal de cerca de 7% entre junho do ano passado e junho deste ano. Além dos gastos com desligamentos, também cresceu a despesa com processos trabalhistas.

Bracher disse que ainda não tem estudos concluídos, mas estima que o número de agências que serão fechadas nos próximos meses não deve superar o do primeiro semestre. Ao todo o banco tem hoje 4.722 agências.

“Tem diminuído a busca de clientes pelas agências e temos muitas [agências] próximas umas das outras, resultado de inúmeras fusões que fizemos”, disse o presidente do banco para explicar a redução de unidades.*

(*) Josette Goulart – FOLHA DE SÃO PAULO

ESTAMOS NO FIM DO POÇO. LÁ TEM MOLA?

SOLUCIONÁTICA

Resultado de imagem para anarquia da felicidade - charges

Do biógrafo, jornalista e doutorando em história pela Universidade do Porto @LiraNeto :

“Leitor pergunta como seguir saudável nesta maré de obscurantismo. Sugiro a sabotagem: ler literatura, assistir a bons filmes, frequentar exposições de arte, ir à roda de samba, dançar forró, amar. Cultivar subversiva alegria. Contra a pulsão de morte, só a anarquia da felicidade.”*

(*) Na coluna do Ivan Marsiglia, Folha de São Paulo

TEMPOS SOMBRIOS

Marco Aurélio Mello, do STF, sugere que Bolsonaro passe a usar mordaça

Resultado de imagem para Bolsonaro de mordaça - charges

O ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) está muito, muito preocupado com o destempero verbal do presidente Jair Bolsonaro.

“Tempos estranhos. Aonde vamos parar?”

Foi com essa pergunta que respondeu à indagação do blog sobre como fazer para acabar com as sucessivas falas destemperadas de um presidente da República.

Na sua última demonstração de irritação, Bolsonaro sugeriu que Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, e desaparecido depois que foi preso durante a ditadura militar, teria sido assassinado por companheiros esquerdistas que suspeitavam de traição.

Marco Aurélio Mello propõe uma solução heterodoxa para evitar falas desse tipo de um presidente:

“No mais, apenas criando um aparelho de mordaça”, disse ao blog.

Um outro ministro do STF ouvido pelo blog sob a condição de anonimato argumentou:

“O pior de tudo é o mau exemplo, a associação do sucesso político ou qualquer outro à incivilidade e à grosseria. Por outro lado, acho que pode ser um marco de como as pessoas não devem ser. A repugnância tem sido geral.”

No último dia 24, a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos expediu atestado de óbito de Fernando Santa Cruz de Oliveira.

O documento afirma que ele “faleceu provavelmente no dia 23 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro/RJ, em razão de morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistemática e generalizada à população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985”.

Em depoimento à Comissão Nacional da Verdade, o ex-delegado Cláudio Guerra, do DOPS (Departamento de Operações Políticas e Sociais), confessou ter incinerado o corpo de Fernando Santa Cruz e outros nove presos políticos no forno de um engenho de cana de açúcar em Campos, cidade do norte do Rio de Janeiro.*

(*) Blog do Tales Farias – UOL

Ô, Ô,Ô… BOZO É UM TERROR!

O que diz o atestado de óbito de Santa Cruz

O atestado de óbito de Fernando Santa Cruz Oliveira, pai do presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, diz que ele morreu “de causa não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistemática e generalizada à população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985”. O documento foi expedido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, veiculada ao Ministério da Mulher e Direitos Humanos.

O documento foi exarado na semana passada, juntamente com outros, e será entregue em agosto às famílias de vários desaparecidos políticos. Nesta segunda-feira Jair Bolsonaro insinuou saber a causa da morte de Santa Cruz. Depois, em live no Facebook, sustentou que ele foi morto por companheiros de militância política, e não pelo Estado. Santa Cruz anunciou que representará só STF contra Bolsonaro.*

(*) Vera Magalhães – Estadão

FRIVOLIDADE EXTREMA

Anistia Internacional repudia fala de Bolsonaro sobre morte de pai do presidente da OAB

Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional, repudiou hoje a declaração de Jair Bolsonaro sobre a morte do pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB. Ele é um dos desaparecidos políticos durante a ditadura militar.

“O Brasil deve assumir sua responsabilidade e adotar todas as medidas necessárias para que casos como esses sejam levados à justiça. O direito à memória, justiça, verdade e reparação das vitimas, sobreviventes e suas famílias deve ser defendido e promovido pelo Estado Brasileiro e seus representantes.”

E acrescentou:

“É terrível que o filho de um desaparecido pela ditadura tenha que ouvir do presidente do Brasil, que deveria ser o defensor máximo do respeito e da justiça no país, declarações tão duras.”*

(*) UOL

COM A CABEÇA NA LULA

O ASTRONAUTA DO LULA

De folga, ministro da Ciência leva assessora aos EUA; pasta paga despesas

Nos 12 dias de folga que tirou para viajar para os EUA, Marcos Pontes levou com ele uma funcionária do Ministério da Ciência e Tecnologia, a assessora especial Christiane Gonçalves Correa, informa Bela Megale em O Globo.

Segundo despacho assinado pelo ministro, Christiane teria a função de acompanhá-lo em suas agendas com autoridades dos EUA, de 13 a 25 de julho.

Pontes, porém, tirou o período como licença não remunerada –ou seja, a viagem não fez parte da sua agenda oficial.

As despesas da ida da assessora a Orlando foram pagas pelo ministério, segundo documento do Diário Oficial. A pasta ainda não se manifestou sobre o caso.*

(*) O Antagonista

DOMINGO, 28 DE JULHO DE 2019

Mujica, sobre a Venezuela: “É uma ditadura, sim, nada além de uma ditadura”

Com atraso de alguns anos, José Pepe Mujica, o velhinho amado pela esquerda latino-americana, finalmente reconheceu que o regime de Nicolás Maduro na Venezuela é uma ditadura.

“É uma ditadura, sim, nada além de uma ditadura”, afirmou o ex-presidente do Uruguai ao sair de uma reunião do Movimento de Participação Popular (MPP), grupo que integra a Frente Ampla, coalizão de esquerda que governa o país desde 2005.

Logo em seguida, Mujica citou outras ditaduras. “Mas há também ditadura na Arábia Saudita, com um rei absoluto. Há ditadura na Malásia, onde matam 25 pessoas por dia. E na República Popular da China, o que me dizem?”, perguntou.

Em maio, Mujica foi criticado por um comentário feito sobre a repressão das Forças Armadas chavistas aos manifestantes que pediam a saída de Maduro do poder. Na ocasião, o uruguaio disse que as pessoas “não deveriam ficar na frente dos blindados”.*

(*) O Antagonista

A PROPÓSITO

Decepção no Uruguai

Resultado de imagem para mulher fumando maconha - charges

Uma mulher voltou do Uruguai, na sexta, absolutamente desapontada. Foi a uma loja especializada comprar um baseado legal para fumar com o marido. Pediram a ela documento de identidade local. Ela não tinha porque é fluminense de Niterói. Disseram então que se tivesse um amigo uruguaio ele poderia comprar o produto. Ela levou um amigo, mas ele não estava cadastrado na loja. Ficaram todos de cara. Segundo a brasileira desiludida, a liberação da maconha no Uruguai “foi uma enganação do nosso Mujica”. Rsrs.*

(*) Ascânio Saleme – O Globo

CABO DE GUERRA

Bolsonaro fica ao lado de Carlos e não dá ouvidos a reclamação de porta-voz

O porta-voz da Presidência, Rêgo Barros, reclamou com Jair Bolsonaro, numa reunião com vários integrantes do governo na segunda-feira passada no Palácio do Planalto, das estocadas contra ele proferidas pelo “pitbull” Carlos.

O 02 andou postando nas redes críticas aos cafés da manhã do presidente com jornalistas — eventos organizados por Rêgo Barros.*

(*) Lauro Jardim – O Globo

 

A PROPÓSITO

Afogando mágoas


Como se explica essa perseguição implacável do presidente Bolsonaro aos generais de dentro e de fora de seu governo? Talvez seja rescaldo da sua passagem pela caserna, da qual foi expelido com apenas 15 anos de serviço. Estaria descontando as mágoas acumuladas? Um presidente não precisa mostrar que tem autoridade e poder. Basta exercê-los.

————

Destruindo fontes


Bolsonaro está determinado a explodir todas as pontes que possam permitir um recuo estratégico em caso de extrema necessidade. Parece que na sua breve passagem pelo Exército ele não teve tempo de assistir às aulas de tática.*

(*) Ascânio Seleme – O Globo