IN MEMORIAM

Jornalismo perde Newton Carlos, o grande observador da política internacional

Classificado como um mestre por uma geração de profissionais que fizeram a história da imprensa brasileira, entre eles Janio de Freitas e Clóvis Rossi , o jornalista Newton Carlos de Figueiredo morreu aos 91 anos na manhã desta segunda-feira, no Rio de Janeiro.

Newton Carlos foi um pioneiro no Brasil da cobertura da América Latina e do colunismo sobre questões internacionais. Começou no jornalismo nos anos 1940, no Correio da Manhã, trabalhou no Jornal do Brasil e foi colunista durante 25 anos da Folha de S. Paulo, com a qual continuou a colaborar até pelo menos 2013.

MUITOS LIVROS – O jornalista escreveu mais de duas dezenas de livros, entre eles “América Latina dois pontos”, “A conspiração”, “O arsenal sul-americano de Saddam Hussein”, “Camelot, uma guerra americana” e “Bush e a doutrina das guerras sem fim”. Ganhou o Prêmio EFE, entregue pelo rei da Espanha.

Newton Carlos nasceu em Macaé, em 19 de novembro de 1927. Mudou-se para o Rio de Janeiro para estudar contabilidade, mas o dom da escrita o levou para o jornalismo. Depois do Correio da Manhã, trabalhou na Tribuna da Imprensa, dirigida na época por Carlos Lacerda. Na cobertura dos sindicatos, foi convidado pelo governo espanhol no exílio — a Espanha estava em plena ditadura de Francisco Franco — a trabalhar em Bruxelas, na Organização Internacional dos Sindicatos Livres.

Depois de dois anos na Europa, voltou ao Brasil e assumiu a chefia de reportagem da revista Manchete. Em 1960, durante a reforma que modernizou o Jornal do Brasil, foi contratado como seu primeiro editor internacional, área na qual se fixaria. Escreveu também para veículos internacionais, como o Il Manifesto italiano e o Clarín argentino, além de publicações peruanas e mexicanas.

NA TELEVISÃO – Esteve na TV Excelsior, e participou do Jornal de Vanguarda. Na TV Globo, redigia o Jornal da Globo, precursor do Jornal Nacional. Esteve também na TV Rio e na TV Tupi. Pela TV Bandeirantes, cobriu todas as eleições americanas, desde 1972. Também cobriu as eleições na Espanha depois da queda da ditadura de Francisco Franco; e o golpe de Augusto Pinochet em 1973, que levou a morte do então presidente do Chile, Salvador Allende.

Janio de Freitas, que liderou a reforma do JB entre o final dos anos 1950 e o início dos 1960, conta que já havia trabalhado com Newton Carlos na Tribuna da Imprensa e no Diário Carioca quando o convidou  para assumir a primeira editoria internacional do jornal.

— Ali mesmo começou a se dedicar à política internacional, principalmente voltada para a América Latina, o que acabou se tornando uma característica sua, que influenciou muitos outros jovens jornalistas, como Clóvis Rossi — conta. — Era um repórter muito atento às questões sociais e de políticas públicas.

O “MAESTRO” – Rossi, que morreu em junho deste ano, referia-se a Newton Carlos em suas colunas como “maestro”. O jornalista Rosental Calmon Alves, que foi correspondente do Jornal do Brasil em Buenos Aires e Washington e hoje é professor da Universidade do Texas em Austin, nos EUA, acredita que Newton Carlos inspirou mais mais de uma geração de jornalistas brasileiros interessados no noticiário internacional.

— Ele foi uma inspiração para o meu interesse pelo noticiário internacional, com suas colunas sempre informativas e explicativas sobre os mais intricados assuntos de política internacional. A gente lia as notícias para saber o que estava acontecendo em terras distantes, mas depois achava a explicação na coluna do Newton Carlos, que nos permitia entender o que estava acontecendo de verdade e o que significava aquele acontecimento. Primeiro, Newton Carlos era o explicador do mundo, mas depois se tornou o explicador da América Latina.

O ANALISTA – Editor de Opinião de O Globo, Aluizio Maranhão ressalta suas análises internacionais: “Para minha geração de jornalistas, que começou  em 1970,  ele sempre foi referência em análise de política internacional. Eram tempos difíceis, de ditadura, e Newton Carlos conseguia passar luz naquela escuridão”.

Para o jornalista, sociólogo e escritor Jayme Brenner, especializado em cobertura internacional, Newton Carlos era um exemplo para a profissão, principalmente por dar destaque à América Latina e aos países em desenvolvimento.

— Ele nunca se conformou com o eurocentrismo ou americanocentrismo, e isso foi uma inspiração para várias gerações de jornalistas internacionais.

Newton eixa a mulher Eliana Brazil Protásio, com a qual estava casado havia 34 anos, e três filhas  — Cláudia, Márcia e Janaína Figueiredo, jornalista de O Globo.*

(*) O Globo