ZERO UM, ZERO DOIS…LONA!

Sinal amarelo para o Zero Três

Logo que anunciou que indicaria o deputado Eduardo Bolsonaro para embaixador do Brasil em Washington – afinal tinha que ser o filho de alguém e por que não poderia ser o dele? -, o presidente Jair Bolsonaro espalhou a notícia de que Donald Trump talvez retribuísse nomeando seu filho embaixador no Brasil.

Era fake, como se revelou em seguida. Nem Trump queria mandar o filho para cá, nem seu filho queria vir. Logo a Casa Branca se apressou a desmentir a notícia. E, para que não restasse dúvidas, agora confirmou que o novo embaixador americano no Brasil será  o experiente diplomata de carreira Todd Chapman.

O cargo está vago desde novembro último. O nome de Chapman ainda será submetida ao crivo do Senado americano e, depois, ao governo brasileiro. Ele fala português com fluência e já serviu outras vezes por estas bandas. A opção de Trump foi por um perfil técnico de alguém que conhece o Brasil. Negócios são negócios.

Não se sabe se Chapman aprecia feijoada e caipirinha, ou se sabe fazer uma coisa ou a outra. Certamente nada disso pesou na sua escolha em contraste com os atributos mais alardeados de Eduardo pelo próprio pai. Ou seja: Eduardo é amigo da família Trump, fala inglês (rudimentar) e gosta de fritar hambúrguer.

Ouvidos por este blog, dois membros da Comissão de Relações Exteriores do Senado disseram que a indicação de Chapman para embaixador no Brasil poderá enfraquecer as chances de aprovação do nome de Eduardo para o cargo que ele tanta deseja, e o pai também. A conferir.*

(*) Blog do Ricardo Noblat