O MAIOR VÍRUS DO MUNDO OCIDENTAL

Economistas da Casa Branca alertaram em 2019 que uma pandemia poderia devastar os EUA
Estudo de setembro de 2019, antes do coronavírus, foi ignorado

“Não acho que o corona seja uma ameaça tão grande quanto as pessoas imaginam”, disse o presidente em exercício do Conselho de Assessores Econômicos, Tomas Philipson, a repórteres durante um briefing de 18 de fevereiro, no mesmo dia em que mais de uma dúzia de passageiros de navios de cruzeiro americanos que haviam contraído o vírus foram evacuados para casa.

“As ameaças à saúde pública normalmente não prejudicam a economia”, disse Philipson. Ele sugeriu que o vírus não seria tão ruim quanto uma temporada de gripe normal.

O estudo de 2019 alertou o contrário – especificamente pedindo aos americanos que não confundam os riscos de uma gripe típica e uma pandemia. A existência desse aviso mina as alegações dos funcionários do governo dos Estados Unidos nas últimas semanas de que ninguém poderia antever o vírus danificando a economia.

O estudo foi solicitado pelo Conselho de Segurança Nacional, segundo duas pessoas familiarizadas com o assunto. Um dos autores do estudo, que desde então deixou a Casa Branca, agora diz que faria sentido para o governo efetivamente encerrar a maioria das atividades econômicas por de dois a oito meses para retardar o vírus.

Vidas perdidas
O coronavírus se espalhou rapidamente pelos Estados Unidos e por sua economia, matando mais de 3 mil americanos e fazendo o país mergulhar no que os economistas preveem que será uma profunda recessão. Um número crescente de governadores e autoridades locais efetivamente interrompeu grandes quantidades de atividade econômica e ordenou que as pessoas permanecessem em suas casas na maioria das situações, na esperança de diminuir a disseminação e aliviar a pressão sobre os hospitais.

Autoridades do governo divulgaram na terça-feira, 31, modelos de saúde pública que impulsionaram essas decisões, incluindo projeções de quando as taxas de infecção podem atingir o pico nacional e local. Oficiais do governo estimaram que o patógeno mortal poderia matar entre 100 mil e 240 mil americanos.

Enquanto os funcionários debatem quando podem começar a reabrir os setores fechados do país, não está claro como a Casa Branca está contabilizando os benefícios e custos potenciais – em números de dólares e vidas humanas – de cronogramas de ação concorrentes.

Questionado pela Fox News no último domingo (29) sobre o efeito econômico e se os Estados Unidos estavam em recessão, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin se recusou a dizer. “Vamos ter atividade econômica reduzida neste trimestre? Absolutamente”, ele disse. “Acho que no próximo trimestre, depende muito da rapidez com que a curva da situação médica funciona”.

O diretor do Conselho Econômico Nacional, Larry Kudlow, disse à ABC News no domingo que “pode ​​demorar quatro semanas, pode levar oito semanas” antes do início da atividade econômica. “Eu digo isso com esperança”, disse ele, “e digo isso em oração”.

Economia fechada por quase oito meses?
Economistas externos vêm realizando análises sobre a duração ideal de um desligamento quase diariamente. Um que foi compartilhado com funcionários da Casa Branca vem de Anna Scherbina, uma autora do estudo de 2019 que agora é economista da Brandeis University e do American Enterprise Institute.

Ele procura determinar a duração ideal de uma supressão nacional da atividade econômica, que Scherbina não define precisamente no artigo. Em uma entrevista, ela disse que abrangeria o fechamento de escolas, fechando muitas empresas e o tipo de ordens de permanência em casa que muitos, mas não todos, os estados impuseram.

“O que isso implica é algo o mais drástico possível”, disse Scherbina. Nos Estados Unidos, no momento, ela acrescentou: “não temos em todos os lugares”.

O artigo de Scherbina avalia as compensações envolvidas na desaceleração da economia para combater a propagação do vírus, como o artigo coloca, “equilibrando seus benefícios incrementais com os enormes custos que a política de supressão impõe à economia dos EUA”.

No melhor cenário, conclui Scherbina, uma supressão nacional da atividade econômica para achatar a curva de infecção deve durar pelo menos sete semanas. Na pior das hipóteses, onde o desligamento se mostra menos eficaz em diminuir a taxa de novas infecções, seria economicamente ideal manter a economia fechada por quase oito meses.

Os esforços de supressão causam danos consideráveis ​​à economia, reduzindo a atividade em cerca de US$ 36 bilhões por semana, estima o estudo. Mas os esforços salvariam quase 2 milhões de vidas quando comparados a um cenário em que o governo não fez nada para frear a atividade econômica e a propagação do vírus, estima Scherbina, porque não fazer nada imporia um custo de US$ 13 trilhões à economia – igual a cerca de dois terços da quantidade de atividade econômica que os Estados Unidos deveriam gerar este ano antes do ataque do vírus.

Scherbina baseou suas estimativas nos modelos que construiu quando economista sênior do Conselho de Assessores Econômicos e principal autora do artigo de setembro, “Atenuando o impacto da gripe pandêmica por meio da inovação de vacinas”, que alertou sobre o número de mortes potencialmente catastróficas e danos econômicos causados ​​pela gripe pandêmica nos Estados Unidos.

“Acumulei todo esse conhecimento e, em seguida, o coronavírus apareceu”, disse Scherbina em uma entrevista por telefone. “Então eu pensei: eu deveria usá-lo.”

As estimativas do estudo
O estudo da Casa Branca de 2019 pediu novos esforços federais para acelerar o tempo necessário para desenvolver e implantar novas vacinas. Ele não previu especificamente o surgimento do coronavírus – em vez disso, modelou o que aconteceria se os Estados Unidos fossem atingidos por uma pandemia de gripe semelhante à gripe espanhola de 1918 ou à chamada gripe suína de 2009. Ela projetou mortes e perdas econômicas dependendo de quão contagioso e mortal o vírus seria.

Mesmo nas taxas mais altas que modelou, a gripe pandêmica no exercício ainda era menos contagiosa e menos mortal do que os epidemiologistas dizem agora que o coronavírus poderia estar nos Estados Unidos.

O estudo da Casa Branca estimou que uma gripe pandêmica poderia matar até 500.000 americanos e infligir até US$ 3,8 trilhões em danos à economia. Essas estimativas não foram responsáveis ​​por nenhuma perda econômica incorrida por “pessoas saudáveis, evitando o trabalho por medo de serem infectadas por colegas de trabalho”.

A estimativa de danos de ponta do estudo teria sido ainda maior que US$ 3,8 trilhões, disse Scherbina, mas a versão final do documento foi alterada dentro do Conselho de Assessores Econômicos para descontar o valor econômico atribuído à vida dos americanos mais velhos. Ele atribuiu um valor de US$ 12,3 milhões por vida para americanos entre 18 e 49 anos, em comparação com US $ 5,3 milhões para aqueles com 65 anos ou mais.

Funcionários do Conselho disseram na terça-feira, 31, que Philipson não estava disponível para uma entrevista. Ele não deu nenhuma indicação este ano de que o estudo e suas previsões haviam influenciado os funcionários do governo em sua resposta inicial ao surto de coronavírus.*

(*) Coluna Investidor – Estadão