CASO DE POLÍCIA

Congresso aprova convite a Pazuello para explicar testes encalhados

Ministério da Saúde nega acordo com Doria para compra de vacinas chinesas  após pressão de Bolsonaro | NSC Total

A comissão mista do Congresso que acompanha as ações de combate à pandemia aprovou nesta terça-feira, 24, um convite ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para explicar a situação dos 6,86 milhões de testes para diagnóstico da covid-19 que estão encalhados na Pasta e próximos de perder a validade.

O requerimento, apresentado pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), pede uma audiência pública com o ministro para “buscar informações e esclarecimentos sobre a reportagem publicada pelo jornal Estadão”. Ainda não foi definida a data da reunião e cabe ao ministro a decisão de comparecer ou não.

No domingo, o Estadão revelou que um carregamento de quase 7 milhões de testes adquiridos pelo Ministério da Saúde nunca distribuídos e estocados no aeroporto de Guarulhos perdem a validade entre dezembro deste ano e janeiro do ano que vem e podem ser jogados no lixo. Em comparação, até hoje, o Brasil, cujos hospitais sofriam com a falta de testes suficientes para a população, aplicou cerca de 5 milhões de testes.

A comissão também aprovou outro requerimento, da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), para que Pazuello preste informações sobre a situação dos testes no País.

Na segunda, o presidente Jair Bolsonaro tentou atribuir aos governadores e prefeitos, e não o governo federal, o encalhe. “Todo o material foi enviado para Estados e municípios. Se algum Estado/município não utilizou deve apresentar seus motivos (sic.)”, disse. Porém o depósito em Guarulhos em que se encontram os testes é do governo federal e os testes não foram repassados para a rede pública.

Na segunda, o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União pediu uma investigação do caso e a tomada de medidas imediatas para evitar o desperdício dos testes na segunda. O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) entrou, também na segunda, com pedido na Procuradoria-Geral da República pela abertura de ação de improbidade administrativa contra Pazuello.*

(*) Equipe BR Político