BANDIDOS UNIDOS JAMAIS SERÃO VENCIDOS

Temer ri de sua piada, o Bolsonaro ‘moderado’

Image

 

Mal comparando, Temer frequenta a conjuntura numa situação muito parecida com a do padre da anedota, que chega no céu ao mesmo tempo que o motorista de ônibus bêbado.

O porteiro do céu recebe o motorista efusivamente. Manda-o entrar direto, sem burocracias. E detém o padre, que fica indignado.

— Mas como? Eu, um religioso, servo do Senhor, preciso preencher formulários e entrar na fila para uma entrevista. O outro, pecador contumaz, entra direto!

— Questão de serviços prestados. Durante os seus sermões, caro padre, todos dormiam na igreja. Quando o motorista bêbado dirigia, todos os passageiros do ônibus rezavam.

O brasileiro não sabe o que é pior, se o Bolsonaro do 7 de Setembro, que pôs o país de joelhos, assustado com a ameaça de golpe, ou o Temer de 9 de Setembro, que operou o pseudo-milagre da moderação do capitão.

O ocorrido na porta do céu com o padre e o motorista revela que a virtude está no fato, não na intenção. Todo mundo sabe que o Bolsonaro real é aquele que xinga de “canalha” o Alexandre de Moraes.

O outro capitão, que, passado o “calor do momento”, enxerga no desafeto um “jurista e professor”, é apenas a penúltima do Temer.

Num instante em que bolsonaristas se esfalfam nas redes sociais tentando transformar a capitulação do mito em jogada de mestre, Temer gargalhou de sua piada em jantar na casa do especulador Naji Nahas.

Cercado de gente chique, o humorista André Marinho converteu o Bolsonaro da carta-rendição numa caricatura muito parecida com o personagem que dá expediente no Planalto, a primeira piada a presidir o país.

Graças à ação de Temer, o impeachment voltou para o freezer. O problema é que, quando um mandato precário se prolonga por muito tempo, o humor readquire vida própria, escapa das mãos de profissionais como Temer, se torna negro.

Mãos postas, o brasileiro reza para que Bolsonaro não jogue o país na ribanceira na próxima curva. Quanto a Temer, convém ensaiar a autodefesa que terá de apresentar na portaria do céu.

Na Presidência, Temer livrou-se de um par de denúncias criminais. Mas uma coisa é ser o rei dos palhaços. Pecado bem mais grave é ser, por assim dizer, o palhaço do rei.*

(**) Josias de Souza
Colunista do UOL