POBRE BRASILNISQUITÃO

Uma derrota com cara de vitória, escreve Thales Guaracy

Presidente faz uma “guerra de posição”: ataca e recua, mas vai aproximando-se de seu objetivo

Não foi minha intenção

Oaparente recuo de Jair Bolsonaro, levado a escrever uma carta de desagravo ao Supremo Tribunal Federal, que ele ameaçou destituir nas manifestações de 7 de setembro, soou como uma grande derrota para o bolsonarismo em geral e a figura do presidente em particular.

A tutela de Michel Temer na redação do documento, a tibieza ao deixar no meio da estrada os caminhoneiros que paralisaram rodovias, o abandono de aliados à própria sorte –a começar pelo agora famoso Zé Trovão– sugeriram a frustração do golpe de Estado.

Uma análise de longo prazo, porém, mostra que Bolsonaro não está nocauteado em pé. Ao contrário, é dessa forma mesmo que ele age. Agride, depois recua. Não se importa em sacrificar aliados pelo caminho. Não é a primeira vez. Dessa forma, já foram queimados Roberto Jefferson e muitos outros.

Como militar, ou melhor, como guerrilheiro, Bolsonaro faz uma guerra de posição. Na linguagem militar, guerra de posição é aquela em que você sabe não poder derrubar o inimigo de uma só vez, então ataca e depois recua. Só que, a cada recuo, você volta para um lugar cada vez mais próximo do seu objetivo.

A cada golpe desferido nas instituições, Bolsonaro recua. Porém, cada vez sobe mais alto o calibre do seu discurso e fica mais próximo do alvo final.

Ele nunca quis aplicar um golpe em 7 de setembro, e sim avançar mais uma casa no tabuleiro, aumentando o tom dos ataques ao Judiciário. Sua derrota, como guerrilha, tem cara de vitória.

No fim das contas o alvo do presidente não são os ministros Alexandre Moraes e Luís Roberto Barroso –um por ser o magistrado das fake news e das patranhas no gabinete do filho Flávio, o segundo por acumular a capitania do Tribunal Superior Eleitoral.

Bolsonaro mira as instituições: a Justiça brasileira, assim como o Congresso, que também o ameaça de impeachment. E o fato é que, com uma simples carta, ele vai se livrando do crime de responsabilidade por jogar a população contra instituições republicanas e fomentar abertamente o golpe.

A permissividade no Brasil tem custado muito caro, inclusive economicamente. A paralisação dos caminhoneiros foi a demonstração de Bolsonaro de que tem poder de causar dano ao país.

Ele não liga de verdade se isso prejudica ou não a economia. Se pensasse em fazer um bom governo para ganhar eleição, estaria trabalhando, e não fazendo comício contra o STF. Bolsonaro só se preocupa em eternizar-se no poder –e, se não for pela eleição, tentará na marra.

As instituições brasileiras têm tratado Bolsonaro com uma tolerância que o próprio Bolsonaro não tem. Quando era Lula o alvo do STF, tudo bem. Agora, para Bolsonaro, a instituição está podre.

Ironia máxima, chegou a dizer no 7 de setembro, num discurso indigno do cargo por ele ocupado, que há no Brasil hoje “presos políticos”. Logo ele, defensor e fã da ditadura militar.

É com esse tipo de político que temos de lidar no Brasil. Não se pode dizer que Bolsonaro recuou ou não sabe o que está fazendo. E nós, quando vamos responder a isto, na forma da lei?

O pior inimigo da democracia é aquele que a usa para acabar com a própria democracia e usa a liberdade para acabar com a liberdade. Contra isso, não pode haver leniência –a democracia tem de defender a si mesma.*

(**)