GADO BOLSONARISTA

Comissão da prefeitura decide que touro de ouro da B3 deve ser removido

Bolsa de valores também será multada pela escultura no centro da cidade de São Paulo

André Jankavski, do Estadão Conteúdo

 

A escultura de um touro dourado precisará ser retirada da frente da B3, a bolsa de valores de São Paulo, localizada no centro da capital paulista. Foi o que decidiu a Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), que é o órgão ligado à Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento de São Paulo.

Após uma reunião realizada nesta terça-feira (23), os integrantes da comissão decidiram que a peça não tem licença para estar lá e ainda tem caráter de peça publicitária. A Bolsa ainda receberá uma multa por infringir os artigos 39 e 40 da Lei Cidade Limpa, já que os responsáveis não consultaram a CPPU para realizar a instalação.

Em reunião extraordinária, a CPPU decidiu por 5 votos a 4, além de uma abstenção, enviar a deliberação para a Suprefeitura da Sé para que a peça seja retirada.

Procurada, a Subprefeitura da Sé afirmou que ainda não recebeu a notificação para retirada e nem para calcular o valor da multa. A B3 foi contatada, mas não respondeu às perguntas até a publicação da reportagem.

O touro
O touro de ouro foi inaugurado no último dia 16 de novembro e tem como padrinho o empresário e influenciador digital Pablo Spyer, conhecido na internet como “Vai tourinho”, que é o seu bordão na internet. Spyer, que ocupou o cargo de diretor de importantes corretoras no Brasil, hoje é sócio da corretora XP na empresa que leva o nome do seu bordão.

Um dos pontos que o CPPU utilizou para dizer que a peça é publicitária é o vínculo que Pablo tem com o “touro de ouro”. Afinal, ele apresenta um programa com esse nome na rádio e na TV. Procurado, Spyer não respondeu às mensagens.

A peça vem criando polêmica desde a sua inauguração. O touro é o símbolo do mercado financeiro em todo o mundo, pois representa os períodos de alta das bolsas já que o ataque dele é de baixo para cima. Do outro lado fica o urso, que ataca de cima para baixo, representando os períodos de queda dos ativos de renda variável.

A peça mais simbólica, o “Charging Bull feito pelo arista ítalo-americano Arturo Di Modica, fica localizado em Nova York e fez com que diversos touros fossem espalhados pelo mundo.

Chuva de críticas
Mas a instalação do touro em frente à bolsa em São Paulo não agradou movimentos sociais, que consideram o momento econômico inapropriado, já que o país está com a inflação e o desemprego em alta e é esperada uma recessão para o ano que vem. Com isso, o touro amanheceu diversos dias avariado com mensagens de reprovação ou lembrando da situação econômica, como a palavra “fome”.

A peça foi inaugurada no último dia 16, com a presença de nomes ilustres do mercado financeiro, como o fundador da XP, Guilherme Benchimol, e o presidente da plataforma, Thiago Maffra.

Na cerimônia de inauguração da estátua, no dia 16, o presidente da B3, Gilson Finkelsztain, afirmou que o touro, presente nos principais mercados financeiros do mundo, é um presente para a cidade de São Paulo e, em especial, para o centro, região que marca a história do mercado financeiro do Brasil.